Ex-jogador aos 30, Fininho sobrevive a 2 infartos: "não era para eu estar aqui"

Revelado pelo Corinthians em 2003, Vinicius Aparecido Pereira de Santana Campos surgiu para o futebol como uma grande promessa. Fininho era considerado um lateral esquerdo de técnica muito apurada, com características semelhantes às do então titular da posição, o ídolo alvinegro Kléber. As expectativas para o sucesso do jovem eram enormes,
mas tudo ruiu em 2005, quando, durante jogo contra o Sampaio Correa, pela Copa do Brasil, o jogador não lidou bem com as vaias da torcida corintiana e simplesmente mostrou o dedo do meio em direção às arquibancadas do Pacaembu. Foi o fim de sua passagem pelo clube. Momento mais difícil da vida do atleta?
 Não. 

Em entrevista exclusiva a Fredy Junior para o Plantão de Sábado, da Rádio Jovem Pan, Fininho abriu o coração e revelou uma incrível história de superaçãoObrigado a se aposentar jovem, com apenas 30 anos, por causa de uma grave lesão no joelho, o lateral esquerdo não reagiu bem ao fim da carreira: ficou com o psicológico abalado e, mesmo com o físico de um atleta e nenhum histórico de problemas cardíacos, sofreu dois infartos em um curto intervalo de tempo.  

Seis meses depois de adentrar o hospital e sair dele com um stent no coração, Fininho ainda não consegue acreditar que está vivo"Todos os médicos dizem que, pela idade que eu sofri os infartos, não era nem para eu estar aqui, porque eles costumam ser fulminantes. Ás vezes, nem eu mesmo acredito. Geralmente, quando essas coisas acontecem, você nem fica para contar história. Agora, eu aproveito ao máximo cada dia da minha vida. Esses infartos só serviram para me confirmar aquele ditado: 'o amanhã só pertence a Deus'", afirmou, depois de fazer a inédita revelação a Fredy Junior. 

Os dois infartos sofridos por Fininho aconteceram depois de partidas com amigos, as famosas peladas. Na primeira vez, no fim do ano passado, o ex-lateral saiu de campo com dores no peito e foi ao hospital. Lá, foi diagnosticado com princípio de infarto, fez cateterismo e recebeu uma lista de remédios para tomar. Como os exames não apontaram nenhuma causa para o ocorrido, porém, o ex-jogador deixou de ingerir os medicamentos. Então, foi surpreendido por um novo infarto depois de mais um jogo festivo, meses depois. 

"Comecei a suar frio e sentir uma dor no peito, de novo. Não acreditava que era outro infarto. Cheguei lá no hospital, e meu coração estava 75% entupido. Os médicos falaram assim: 'como assim, você está bem, conversando?'. Fiquei internado em observação e, depois, fiz outro cateterismo e coloquei um stent no coração. Realizei mais exames e, de novo, não deu nenhuma causa. Sou aquele caso da medicina que eles não sabem explicar. Não tem razão", disse. 
Fininho, porém, credita os infartos à péssima condição psicológica em que ficou depois do surpreendente término de carreira. Ele teve de encerrá-la precocemente, ainda os 30 anos, por causa de uma condromalácia, grave lesão no joelho. Fininho acreditava que retornaria rapidamente aos gramados, mas o tempo de recuperação se estendeu por mais de um ano. Como não conseguia mais jogar sem sentir dores no joelho, optou por se aposentar – depois de passagens marcantes por Lokomotiv Moscou, da Rússia, e Metalist Kharkiv, da Ucrânia. 

A repentina aposentadoria mexeu com Fininho, que se entristeceu e quase morreu do coração. "Fui obrigado a parar novo, com 30 anos. Aí pensei: 'nossa, mas que b... de vida'. Estava com o joelho ruim, sem ganhar tanto dinheiro como antes... A lesão no joelho provocou uma reviravolta muito grande na minha vida, porque foi muito inesperada. Eu estava muito estável no leste europeu, com nome, respeito e histórico pequeno de lesões... Então, mexeu muito com o meu psicológico. Acho que sofri os infartos por causa disto", relatou. 

E, ao que tudo indica, ele tem razão. Fininho nunca teve nenhum tipo de problema cardíaco na vida. Nem mesmo os exames pós-infarto apontaram alguma causa para os infartos. Para se ter noção, a exame de próstata o ex-jogador foi obrigado a fazer na Rússia, durante o período em que atuou pelo Lokomotiv Moscou – eles não apontaram nenhuma irregularidade. 
Hoje, Fininho trabalha como diretor de futebol do Atibaia, no interior de São Paulo. Os infartos, ao menos, serviram para que ele mudasse a concepção que sempre teve da vida. Não há mais espaço para tristeza ou depressão. "Para mim, só de estar vivo, já é uma benção de Deus. Dou muito mais valor aos momentos que tenho com familiares e amigos. Aprendei a dar valor aos pequenos momentos da vida", finalizou. [Uol]

Ex-jogador aos 30, Fininho sobrevive a 2 infartos: "não era para eu estar aqui" Ex-jogador aos 30, Fininho sobrevive a 2 infartos: "não era para eu estar aqui" Reviewed by CM on terça-feira, julho 05, 2016 Rating: 5