Pedro Bismarck, o Nerso da Capitinga, perde a mulher e vive recluso em sítio

Por vinte e seis anos, ele divertiu o público como Nerso da Capitinga nos humorísticos “Zorra total” e “Escolinha do Professor Raimundo”. O quadro de sucesso da Globo chegou ao fim em 2012, e Pedro Bismarck voltou de vez para sua terra natal, onde vive num sítio em Piau, cidade de três mil habitantes no interior de Minas Gerais, a cerca de 30 quilômetros da capital.

No refúgio do artista de 54 anos a tecnologia ainda é precária, a internet limitada e telefone não pega. Uma vida de paz e sossego para um viúvo que perdeu recentemente a mulher, Maria José, falecida no última dia 18 de maio em decorrência de um infarte fulminante.

“Acho que superar a perda de alguém que se torna um só, contigo, é impossível. Você nunca mais se torna o mesmo. Foram 33 anos de um casamento cheio de cumplicidade e muito feliz”, lamenta ele que, apesar da dor, e como bom palhaço que é, não esquece nunca da sua missão na Terra:

“Recebi um dom de Deus, que foi o de trazer alegria para a vida das pessoas. E isso, consequentemente, me fez enxergar tudo com outros olhos. Não vou dizer que é fácil, mas estou seguindo com a minha missão, com a certeza de que ela (Maria) gostaria muito de que eu fizesse exatamente isso”.

E ele não para. O humorista viaja o país com a peça “Nerso em 3D, 30 anos de riso”, um show comemorativo pelas três décadas do personagem que ganhou o Brasil. “Em média, fazemos 15 shows por mês”, conta. Apesar de viver recluso, ele mantém um escritório na capital mineira para cuidar dos negócios. Trocar a natureza pela cidade grande? Nem pensar!

“Sabe aquela coisa que todos dizem buscar a vida toda? Aquela ‘tal felicidade’? Foi lá onde eu a encontrei. É tudo o que eu pedi a Deus. Eu pesco, cuido da terra, plantas, bichos, leio, reúno a família (os três filhos, já adultos, e os quatro netos), tudo com a calmaria do campo. Quando volto à TV? Não posso dizer ao certo, mas, quem sabe um dia?”.
Mesmo com o acesso limitado à internet e telefone, o EXTRA conseguiu levar um papo com Pedro Bismarck, através do escritório que o humorista tem na capital mineira. Confira!

O senhor deixou o 'Zorra Total' em 2013 e, recentemente, fez uma participação no programa Tá no ar. O que está fazendo atualmente?
Na verdade, após a saída do "Zorra Total" fiz algumas participações em programas da Globo e alguns quadros como no "Vídeo Show". Além disso, continuo com o trabalho que sempre fiz desde o início da minha carreira que é o de viajar pelo Brasil com os meus espetáculos. Estou fazendo o “Nerso em 3D - 30 anos de riso”, um show comemorativo dos meus 30 anos de carreira, em que reúno algumas piadas do início da minha trajetória, que foram consagradas, e outras tantas novas. Queríamos destacar os diferenciais que levaram o público a gostar do Nerso da Capitinga. Estreamos este show em 2014 e, desde então, iniciamos a turnê por todo o país. Em média, fazemos 15 shows e presenças em eventos em todo o país, por mês.

Como é a sua vida aí no sítio?
A minha vida no sítio é tudo o que eu pedi a Deus. Aprendi a dar valor às mínimas coisas do dia a dia vivendo lá. Quando não estou viajando a trabalho e nem em reuniões com o meu escritório, o meu cotidiano é normal como o de qualquer outra pessoa. As vantagens é que no sítio eu pesco, cuido da terra, das plantas, dos bichos, eu leio, reúno a família, os amigos e tudo o que me dá mais prazer, com a calmaria do campo.

É verdade que telefone não pega muito bem por aí e que a internet é limitada? Como o senhor consegue viver sem tecnologia?
Como conseguíamos viver sem tecnologia há alguns anos? A vida nos proporciona infinitos outros afazeres, além de ficar ligado o dia todo à internet. De qualquer forma, não me abstenho totalmente dela. A amplitude das ligações sociais, o alcance e rapidez das informações e tantas outras vantagens são inegáveis. Para tanto, mantenho minha equipe ligada e as poucas conexões que tenho no sítio, que realmente são limitadas, eu acesso com parcimônia.

Não pensa em largar o sítio e ir morar na cidade?
Não penso de jeito nenhum (risos). Sabe aquela coisa que todos dizem buscar a vida toda? Aquela “tal felicidade”? Foi lá onde eu a encontrei. Mas ao contrário do que muitos pensam, eu não fico isolado do mundo. Como continuo trabalhando, e muito, o sítio é o meu canto, meu lar e meu refúgio. É para onde eu quero sempre voltar depois de uma viagem.

Desde quando o senhor mora nesse sítio?
Tenho o sítio há mais de vinte anos, mas moro lá há seis. Antes eu ia aos fins de semana, quando não estava trabalhando. Depois, as visitas passaram a ser mais frequentes e, quando vi, já estava morando lá. O tamanho do sítio é o ideal para eu manter a minha qualidade de vida, que julgo merecer após tantos anos de trabalho.

O senhor nunca morou no Rio de Janeiro?
Nunca morei no Rio de Janeiro, não. Na verdade, sempre residi em Juiz de Fora, que é bem perto do Rio. Sendo assim, optei por ficar na cidade onde criei meus filhos. Tanto para shows, gravações e tantos outros compromissos, até hoje vou e volto do Rio no mesmo dia. E te falo com toda a certeza de que, para mim, o custo/benefício vale muito. Acho o Rio de Janeiro a cidade mais bonita do país, mas, Juiz de Fora, foi a cidade que escolhi para constituir minha família.

Quando o senhor vai voltar à TV? Não sente falta?

Acredito que não é uma questão de sentir falta. A TV é uma das maiores vitrines do artista, mas, só com ela, ele não é completo. De qualquer maneira, estar na TV é um fato que depende de outros inúmeros fatores. Não posso te dizer ao certo, mas, quem sabe um dia?O tempo tem passado cada vez mais rápido, e com 2016 não foi diferente. O ano já está acabando, mas esse Brasil é muito grande e nele existem muitas pessoas procurando mais alegria. Enquanto o show estiver novo e enquanto tiverem pessoas querendo sorrir, vamos viajar Brasil afora.


Publicidade:

 

Pedro Bismarck, o Nerso da Capitinga, perde a mulher e vive recluso em sítio Pedro Bismarck, o Nerso da Capitinga, perde a mulher e vive recluso em sítio Reviewed by CM on segunda-feira, julho 11, 2016 Rating: 5