Salvador abriga símbolos da luta de independência do Brasil na BA; lista

De Pirajá ao Campo Grande, em Salvador, são encontrados marcos das lutas da Independência do Brasil na Bahia. Neste  sábado (2), dia em que a conquista da liberdade política junto à Portugal é celebrada, veja a lista de alguns locais e símbolos da capital baiana que marcam essa história. As informações foram obtidas com a Empresa de Turismo da Bahia (Bahiatursa).

Pirajá
Em Pirajá, no dia 8 de Novembro de 1822, o Exército Brasileiro resistiu aos ataques portugueses sob o comando do general Pedro Labatut. O local era um ponto chave da defesa braileira devido à localização, que permitia a ligação entre Salvador com o norte da Bahia.
Hoje, o local do confronto abriga a Praça General Labatut e um panteão (espécie de templo), que homenageia o comandante. É no local que o Fogo Simbólico, vindo do Recôncavo, é deixado no dia 1º de junho, véspera das cleebrações à independência.
Templo que guarda o busto de General Labatut, no bairro de Pirajá, em Salvador (Foto: Henrique Mendes/G1)Templo que guarda o busto de General Labatut,
no bairro de Pirajá, em Salvador  (Foto: Henrique Mendes/G1)
 
O Panteão simboliza a gratidão do povo baiano para o General Labatut que preparou as tropas libertadoras que expulsaram os soldados do General Madeira de Melo. Foi inaugurado em 1914, e possui arquitetura com características neoclássicas.
O General Pedro Labatut, nasceu na França em 1775. Designado por D. Pedro II comandou as tropas vitoriosas na Independência da Bahia. Faleceu na cidade do Salvador, no dia 4 de setembro de 1849.

Lapinha
Ao lado da igreja da Lapinha, no Centro, está o Pavilhão 2 de Julho. Ele foi construído em 1835, originalmente, pela Sociedade Dois de Julho, para guardar os emblemas da festa que celebra a independência. Em 1918, o Instituto Geográfico e Histórico da Bahia construiu o atual Pavilhão. Lá ficam gurados os carros do Caboclo e da Cabocla.

Caboclo na saída do cortejo do 2 de julho, Salvador, Bahia (Foto: Lílian Marques/ G1)Caboclo na saída do cortejo do 2 de julho (Foto: Lílian Marques/ G1)
 
A figura do Caboclo está presente nas comemorações da Independência da Bahia desde 1824, quando a população enfeitou uma carreta para o desfile cívico e colocou sobre ela um velho indígena. A Cabocla foi inserida no cortejo festivo a partir de 1846

Soledade
A estátua a Maria Quitéria de Jesus, “Soldado Medeiros”, localizada no Largo da Soledade, foi inaugurada no dia 21 de agosto de 1953. A obra celebra a mulher que nasceu em Cachoeira em 1792 e pediu ao pai para se alistar no Exercito Brasileiro em 1822. Sem conseguir permissão, fugiu de casa, e se alistou disfarçada em trajes e cabelos masculinos. Alistou-se com o nome de Soldado Medeiros. Descoberta pelo pai, foi impedida de deixar o exército por seus superiores. Recebeu das mãos de D. Pedro I a condecoração dos Cavaleiros da Imperial Ordem do Cruzeiro, na cidade do Rio de Janeiro.
Catedral Primacial Basílica de Salvador (Foto: Henrique Mendes/G1)Catedral Basílica de Salvador, no Pelourinho (Foto: Henrique Mendes/G1)
 
Catedral Basílica
No Pelourinho, a antiga Capela do Colégio dos Jesuítas foi construída em meados do século XVI. As pedras que cobrem seu frontispício vieram de Portugal. Após a expulsão dos jesuítas do Brasil e de Portugal, a igreja passou a ser a Catedral de Salvador.

Convento da Lapa
A Igreja e Convento de Nossa Senhora da Conceição da Lapa foram inaugurados em 1774. Em fevereiro de 1822, o Convento foi invadido pelas tropas do General Madeira de Melo, que acabaram por matar a madre superiora Soror Joana Angélica, que antes de ser atingida, proferiu a famosa frase: “Para trás, bárbaros, respeitai a casa de Deus”. A rua onde está localizado o Convento, foi batizada em sua homenagem Avenida Soror Joana Angélica.

Igreja de Santana
Maria Quitéria de Jesus Medeiros, que participou da Guerra da Independência da Bahia foi enterrada no Cemitério da Igreja.

Aflitos
Nos Aflitos, um chafariz de origem italiana com 5,60m de altura chama a atenção. No topo dele, uma índia empunhando lança e pisando uma hidra simboliza as lutas da Independência do Brasil na Bahia. Foi instalado em 1853 na Praça da Piedade e transferido, posteriormente, para o Largo dos Aflitos.

Praça Dois de Julho, no Campo Grande (Foto: Henrique Mendes / G1)Praça Dois de Julho, no Campo Grande
(Foto: Henrique Mendes / G1)
 
Campo Grande
O monumento a Independência do Brasil na Bahia na Praça do Campo Grande, em Salvador, é composto conta com a figura de um índio, armado de arco e flecha simbolizando o Brasil, na atitude de desferir golpes sobre uma serpente, em alusão a vitória dos brasileiros contra os portugueses. Mede vinte e cinco metra e oitenta e seis centímetros. Foi inaugurado em 2 de julho de 1895, e é de autoria de Carlo Nicoli.
Salvador abriga símbolos da luta de independência do Brasil na BA; lista Salvador abriga símbolos da luta de independência do Brasil na BA; lista Reviewed by CM on sábado, julho 02, 2016 Rating: 5