Sem pudores com nudez, Juliana Paes, Marcelo Faria e Hassum filmam ‘Dona Flor’

Se tem coisa que a maioria das mulheres sonha é com segurança, fidelidade e aquela pegada despudorada... E nisso, Dona Flor é felizarda, num realismo fantástico, com seus dois maridos. Agora, o clássico de Jorge Amado volta às telonas, 40 anos depois da primeira versão, estrelada por Sonia Braga, José Wilker e Mauro Mendonça. Na releitura dirigida por
Pedro Vasconcelos, com estreia prevista para o ano que vem, Juliana Paes vive Flor; Marcelo Faria é Vadinho; e Leandro Hassum, Teodoro.

— Tudo o que a gente quer é certeza, carinho, e também luxúria, toque... Essa história tem um jeito Jorge Amado de fazer a leitura perfeita dos desejos de uma mulher — elogia Juliana, que encurtou o cabelo e engordou (mas não diz quanto) para ficar com o corpo mais parecido com o de uma dona de casa dos anos 40: — O Pedro me falou: “preciso que você fique mais roliça’’. Eu estava musculosa, com os braços e o abdômen desenhados demais para a época. Na verdade, perdi definição. Parei com o boxe, a musculação e dei uma liberadinha na alimentação (risos).




A Dona Flor da atriz “tem mais do que recato e sensualidade, é mansa e doce”, destaca a protagonista. Para dar veracidade à paixão da professora de culinária pelo malandro, ela e Marcelo se entregaram à história, temperada com sexo. Nas cenas de intimidade, ambos ficaram nus e sem dublês de corpo. 

— Não trabalhamos com pudores. Eles se dispuseram para as filmagens, mas há uma preocupação em não expor essa nudez sem necessidade — deixa claro o diretor. 
Juliana simplifica:

— Não usamos tapa-sexo porque, fisicamente, ia tornar tudo mais complicado. No meio de uma sequência, tirá-lo porque está aparecendo a lateral do corpo seria mais constrangedor. Ia travar, perder a fluência, a empolgação. Meu cuidado foi pedir para reduzir a equipe no set. Contei muito com a parceria e a amizade do Marcelo e do Pedro.

Faria foi o que mais ficou exposto durante as filmagens em Salvador e no Rio. Vadinho aparece andando nu pela casa, vivo e depois de morto. Mas há quase dez anos em contato com o boêmio (a peça que o ator encenava reuniu mais de 500 mil espectadores pelo Brasil em cinco anos), ele tirou de letra.

— Foi uma entrega total. A gente viveu a situação como tem que ser vivida, colocando os limites profissionais — afirma.

O fato de o ator ser padrinho de casamento de Juliana com seu marido, o empresário Carlos Eduardo, facilitou a sinergia.

— Nunca fiquei nervosa e incomodada com esse tipo de cena. Para mim, mais vale bater um papo com o diretor antes e entender o que ele quer passar com aquilo. Não é fácil, sempre existe um constrangimento em ficar nua em pelo, mas quando se trabalha com quem confia, tudo funciona. Eu sei que vai aparecer coxa, lateral de seio, mas nada explícito. Não há intenção de exibir nossos corpos de forma gratuita. O apelo é mostrar a química de um casal apaixonado. São cenas poéticas. 

Segundo Pedro, Hassum foi o único poupado já que, depois de ficar viúva, Flor se casa com o farmacêutico metódico e religioso, que só faz amor duas vezes por semana, com bis nos sábados:
— Ele só transa de pijama amarelo, e ela de camisola.
Sem pudores com nudez, Juliana Paes, Marcelo Faria e Hassum filmam ‘Dona Flor’ Sem pudores com nudez, Juliana Paes, Marcelo Faria e Hassum filmam ‘Dona Flor’ Reviewed by CM on domingo, julho 31, 2016 Rating: 5