Paê Barbosa: o vice que Tonhão desprezou e que outro jamais será igual; Diz cometarista político

Conversei esta tarde com destacado líder político barreirense e dele ouvi críticas quanto à fala no horário político da coligação “firme e forte”, do candidato a vice-prefeito, Moisés Schimidt, que disse que agora, através da sua pessoa, o prefeito Antônio Henrique terá um vice-prefeito
de qualidade, pronto a ajudá-lo na dura tarefa de administrar nossa cidade.

A assertiva do “iluminado” político foi de uma infelicidade a toda prova e um desrespeito ao belo papel desempenhado pelo atual vice-prefeito, Paê Barbosa, que sem estrelismo mas fiel e respeitoso a seu superior exerceu o papel que lhe foi destinado.

Paê Barbosa e a equipe que escolheu, elaborou o plano diretor de Barreiras com muito brilho. Pena que há políticos que abominam um planejamento para a cidade, preferindo o improviso, que sempre pontuou nas suas administrações. Barreiras tem sido, sem dúvida - salvo no governo do Dr. Saulo, que também cuidou de implantar um Plano Diretor - alvo de administrações que primam pela desorganização e ficam longe de seguir qualquer diretriz e isto implica num prejuízo constante para nosso município.

Em janeiro, quando as chuvas dilapidaram nossa infraestrutura, foi Paê Barbosa quem arregaçou as mangas com medidas capazes de amenizar o prejuízo de muitos dos nossos habitantes, conseguindo com o setor agrícola máquinas que ajudaram a minimizar as lacunas que a água provocou e, também, trabalhou com denodo para ajudar a combater eventuais doenças provocadas pelas incessantes chuvas.

Desnecessário dizer que Paê Barbosa trabalhou sem alarde e combateu intrusos que pretenderam tirar o brilho da sua atuação, principalmente cancelando os festejos do Carnaval, atitude que frustrou muitas pessoas, acostumadas a colher ganhos exorbitantes com o folguedo momesco, com a isenção de taxas ou alugueis de áreas para exploração de atividades comerciais e de diversões.

O inusitado discurso do candidato atual da chapa “firme e forte”, felizmente não impactará o que fez Paê Barbosa quando substituiu o prefeito. Quando ele entrou na prefeitura, o PT, seu partido, ainda apresentava sinais de vida, mas hoje é de uma fragilidade a olho nu e dificilmente terá sucesso na tentativa de eleger sequer um representante à Câmara de Vereadores.

A fala do Schimidt provocou reações em alguns setores, principalmente na família do Paê Barbosa e também dos seus incontáveis e fieis amigos, que indiretamente foi espinafrado pelo estreante candidato a vice.

A assertiva do candidato Schimidt, pois, atingiu as raias do imponderável, vez que sequer teve cargo político para mostrar sua capacidade.

Ingressou na política há poucos meses e demonstrou que sua capacidade sequer existe. Inicialmente foi do PSB e depois do PR, deixando alguns senões de desorganização, hoje questionadas juridicamente pelo PTB. Lutou alucinadamente para se apossar do PTdoB, com a orientação de consagrado tomador de partido na Bahia, o deputado federal João Bacelar. Felizmente a extremada façanha não surtiu o efeito desejado e o PTdoB voltou às mãos de Queiroz da Santa Luzia, seu presidente de fato e de direito. Sua entrada na “firme e forte” pode ser comparada à compra do passe de um jogador de futebol, que poderá ocupar o banco de reserva, caso seu futebol não apresente resultado. Dizem políticos já militantes ao lado do prefeito, que ao invés do sucesso pretendido, sua aquisição foi uma negação, pois lá existem mais caciques do que índios, mas ele, um novato da política, nada opina, nem nada decide. Talvez se iguale à outra contratação, feita um pouco antes, da ex-vereadora Kelly Magalhães, que também não justificou sua aquisição.

Por Itapuan Cunha
Comentarista da Política
http://www.blogdoitapuan.com/
Paê Barbosa: o vice que Tonhão desprezou e que outro jamais será igual; Diz cometarista político Paê Barbosa: o vice que Tonhão desprezou e que outro jamais será igual; Diz cometarista político Reviewed by CM on quarta-feira, setembro 14, 2016 Rating: 5