Sem estimar vendas, comerciantes esperam que Black Friday 'alivie' crise

Os comerciantes da Bahia não têm uma estimativa de quanto as vendas devem aumentar durante a Black Friday, data oficial de “superdescontos” oferecidos por varejistas para fisgar os consumidores, mas esperam que o movimento ajude a "aliviar" a crise no setor.
Em sua 6ª edição, a Black Friday será realizada na sexta-feira (25), mas pode ser estendida por mais dias por muitos comerciantes como forma de atrair ainda mais a clientela.

"A crise está muito forte, e, no momento, o varejo está fragilizado. Esse evento [a Black Friday] pode minimizar as dificuldades que o ano todo tem trazido para o varejo. Até agora, a média de queda de vendas é de 9% durante todo ano e essa também é a projeção do momento para dezembro. Então, estamos confiando que a Black Friday dê uma aliviada na crise", destacou o presidente do  Sindicato dos Lojistas do Comércio do Estado da Bahia (Sindilojas), Paulo Mota.

Confome Mota, o Sindilojas prevê um crescimento acima de 20% da presença de consumidores durante a Black Friday, mas não é possível fazer uma projeção de aumento das vendas e lucros por causa dos descontos de até 70% que devem ser oferecidos.

A Black Friday, que acontece desde 2011, e vem crescendo em termos de vendas e faturamento tem se tornado a segunda maior data do varejo brasileiro - já ultrapassou o Dia das Mães e só fica abaixo do Natal. A previsão dos organizadores é atingir, em todo o país, R$ 2 bilhões em vendas - 34% a mais que em 2015.

"Nesse período, os consumidores buscam preços convidativos, e a Black Friday tem objetivo de dar descontos verdadeiros. Não tem como projetar crescimento de vendas, porque o comércio diminuiu o preço e isso tem um impacto no faturamento. Com o crescimento de 20% da presença de consumidores, que estamos projetando, acreditamos que vamos vender mais que o ano passado, mas esse aumento não dá para projetar por causa do indice de desconto oferecido", destacou.

A Câmara dos Dirigentes Lojistas de Salvador também não tem uma estimativa local de quanto as vendas devem aumentar na Black Friday. Segundo o presidente da entidade, Frutos Dias Neto, há apenas uma projeção nacional.

"De uma forma geral, o comércio está animado. Nacionalmente, há uma crescimento de intenção de compra de 31%. Uma pesquisa realizada pelo SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) e CNDL (Câmara Nacional de Dirigentes Lojistas) aponta que 69% prentendem fazer alguma compra esse ano durante a Black Friday. Além disso, 45% dos consumidores vão comprar mais produtos esse ano do que em 2015. Outros 28,1%  dizem que só vão fazer compras após verificarem os preços. A pesquisa indica, ainda, a pretenção de compras é mais de roupas e celulares. Não há dados locais, mas em termos de intenção, se assemelha ao nacional", destacou Frutos Dias Neto.

Em 2015, em todo o Brasil, o crescimento das vendas totais na Black Friday foi menor em comparação com o das demais edições, de 75%, abaixo da média de 100% dos anos anteriores. Neste ano, a previsão para o país é de aumento de apenas 30% ante o ano passado.

Para tentar atrair a clientela e alavancar as vendas, muitos comerciantes baianos podem ainda  esticar a Black Friday. "Isso será uma decisão de cada empresa, em função da perfomance que venha a acontecer. Os que tiverem estoque, por exemplo, pode estender a Black Friday até o final de semana ou até mais. Depende de uma decisão administrativa dos donos das lojas e das necessidades com relação às vendas", destacou.

O Sindicato dos Comerciários de Salvador informou que as lojas de bairros abrem mais cedo, das 6h às 19h na sexta-feira por causa da Black Friday e que muitos shoppins que fecham às 22h podem estender o horário de encerramendo do expediente para as 23h. Do G1
Sem estimar vendas, comerciantes esperam que Black Friday 'alivie' crise Sem estimar vendas, comerciantes esperam que Black Friday 'alivie' crise Reviewed by CM on terça-feira, novembro 22, 2016 Rating: 5