Câncer de próstata matou quase 800 homens este ano na Bahia, alerta Sesab

O câncer de próstata já matou 792 homens na Bahia este ano, segundo dados da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) até outubro. Neste balanço, o órgão aponta a ocorrência de 1.559 casos da doença em território baiano.
O mapeamento da secretaria entre janeiro e outubro de 2016 mostra ainda que a maior parte dos casos da doença foi registrada em homens com a faixa etária de 60 a 69 anos (639 ocorrências). As faixa etárias de 70 a 79 anos e 50 a 59 anos também apresentam altos índices, totalizando 490 e 214 casos, respectivamente. No cenário de óbitos, a grande parte das situações foram na faixa etária de mais de 80 (358), de 70 a 79 anos (261), de 60 a 69 anos (139).

Para o oncologista André Bacelar, embora os números ainda sejam altos, a busca dos homens por informações referentes à doença é maior.
"Cada vez mais, as pessoas estão informadas, mas também existe uma população com menos acesso à informação, com alguns preconceitos que acabam retardando a consulta ao médico. A gente percebe que os homens sabem da importância do exame, que há uma divulgação, mas existe uma resistência", explica.

As informações da secretaria referentes apenas à capital baiana apontaram 475 casos, até o mês de agosto de 2016, e 140 óbitos, até o mês de outubro também deste ano. Comparando os dados de Salvador nos três últimos anos, foi em 2013 que a capital baiana teve maior número de casos (771) de câncer de próstata. [Confira tabelas ao lado]
Conforme o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a doença é a segunda principal causa de morte e a mais comum entre os homens em todo o mundo, depois do câncer de pulmão.

Dados da Sesab sobre a Bahia
                  Casos Óbitos
2016 1559¹ 792¹
2015 2537 1139
2014 2305 1083
2013 2342 1093
*¹Dados de casos processados até agosto
²Dados processados até outubro
Dados da Sesab sobre  Salvador
              Casos Óbitos
2016 475¹ 140²
2015 741 215
2014 712 186
2013 771 178
*¹Dados de casos processados até agosto
²Dados processados até outubro

Primeiro exame
A resistência de ir ao médico citada pelo oncologista André Bacelar foi o que retardou o diagnóstico do aposentado Marcelino Dias, de 75 anos. Ele descobriu o câncer de próstata em 2013 após ser levado ao médico pela esposa.

Foi aos 73 anos que Marcelino se submeteu pela primeira vez ao exame de próstata, mas segundo conta, a resistência em fazer o exame não ocorria por conta do preconceito, mas sim porque ele não gosta de ir ao médico. "Sou uma pessoa que nasci na roça, nunca procurei um médico", relatou.
Marcelino é casado e tem dois filhos. Ele mora em Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador, onde também faz o tratamento do câncer. Ele não foi submetido a qualquer cirurgia, porque o tumor já estava em um estágio avançado.

Conforme a esposa, Gersíria Dias, ele faz um tratamento há três anos de hormonioterapia que diminui o nível do PSA, o que reduz o crescimento de tumores. PSA é a sigla em inglês para antígeno prostático específico, um importante marcador para determinar quais homens precisam de biópsia e quais deles têm menor risco de desenvolver a doença.
"Ele só foi ao médico porque eu levei. Percebi ele demorando para fazer xixi e a urina muito amarelada e grossa. Então "amarrei" ele e levei ao médico, se não fosse por isso, ele não iria", contou.

Marcelino conta que se sente bem com o tratamento e hoje percebe a importância do exame, mesmo sem gostar de ir ao médico. "Não sinto nada , faço o tratamento e estou bem. Como tenhos dois filhos, tenho certeza que eles sempre estão indo ao médico e vejo a necessidade disso", relatou.

Conforme André Bacelar, os homens que tiveram pai ou irmão diagnosticados previamente com a doença apresentam um aumento de duas a três vezes no risco de desenvolver o câncer. Esse risco aumenta se o diagnóstico do pai ou do irmão tiver ocorrido antes dos 40 anos.
"É importante que os homens façam o exame a partir dos 50 anos, mas quem tem casos na família deve fazer o procedimento 15 ou dez anos anos antes da idade em que o familiar foi diagnosticado. O câncer de próstata é assintomático nos estágios inicias da doença e são nesses estágios que a gente pode curá-lo. É importante que a população procure um médico para fazer exames como o de PSA, o de sangue simples e toque retal. Através desses dois fazemos rastreamento", explicou Bacelar.

Após o resultado dos exames, o oncologista aconselha que o paciente procure um oncologista. Bacelar também dá dicas de como evitar a doença. "É importante que as pessoas tenham uma alimentação saudável, rica em verduras, legumes. Além de evitar gordura saturada, embutidos, enlatados,  fazer exercícios físicos e evitar a obesidade", opinou. Do G1 Ba

Câncer de próstata matou quase 800 homens este ano na Bahia, alerta Sesab Câncer de próstata matou quase 800 homens este ano na Bahia, alerta Sesab Reviewed by CM on sexta-feira, dezembro 02, 2016 Rating: 5