Mãe tenta salvar filha de 7 anos presa no ralo de piscina

Uma garota de sete anos morreu na piscina de um hotel em Balneário Camboriú, no Litoral Norte catarinense, no domingo (23).  O cabelo de Rachel Rodrigues Novaes Soares ficou preso no ralo e, de acordo com o G1 Santa Catarina, o local não possuía sistema de segurança para desativar a sucção.

A piscina infantil tinha  60 centímetros de profundidade. O cabelo da menina ficou preso na entrada de aspiração do filtro, que fica na área de lazer do hotel. Segundo a Polícia Civil, o responsável pelo hotel pode responder por homicídio culposo, pois não havia o sistema de sucção previsto em lei.
O advogado do hotel confirmou que não havia sistema antissucção na piscina, mas alega que não houve irregularidade porque a menina estava acompanhada da mãe e a piscina é infantil.

 Ainda de acordo com o G1 Santa Catarina, as testemunhas contaram aos bombeiros que a menina ficou debaixo d'água por cerca de seis minutos, do momento em que cabelo ficou preso até a chegada de outras pessoas que ajudaram no resgate. 
Uma lei estadual de novembro de 2015 obrigada a instalação, em todas as piscinas residenciais ou coletivas, de um sistema antissucção para evitar acidentes desse tipo. Em novembro de 2016, terminou o prazo para adaptação à lei, ficando sujeitos à interdição das piscinas, em caso de não cumprimento.
Mãe tenta salvar filha de 7 anos presa no ralo de piscina Mãe tenta salvar filha de 7 anos presa no ralo de piscina Revisado by CM on segunda-feira, julho 24, 2017 Classificação: 5

Postagem em destaque

SEJA UM OPERADOR DE COLHEITADEIRA: VAGAS LIMITADAS