'Ser padrinho de casamento impede julgar caso?', diz Gilmar após liberar empresário

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes questionou o pedido de suspeição do Ministério Público Federal do Rio de Janeiro (MPF-RJ) contra ele no caso do empresário Jacob Barata Filho. O magistrado é padrinho de casamento da filha do empresário e determinou a saída dele da prisão. "Vocês acham que ser padrinho de casamento impede alguém de julgar um caso? Vocês acham que isto é relação íntima, como a lei diz? Não precisa responder", declarou Gilmar nesta sexta (18). O ministro do STF concedeu habeas corpus ao empresário e ao ex-presidente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio (Fetranspor), Lélis Teixeira, que estavam presos desde o início de julho. O juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, expediu novos mandados de prisão contra ambos ainda ontem e os manteve presos.

No entanto, nesta sexta (18), Gilmar mandou soltar novamente a dupla. Eles foram alvos da Operação Ponto Final, um desdobramento da Lava Jato, que investiga o pagamento de propinas a autoridades do Estado em troca de obtenção de benefícios no sistema de transporte público no Rio de Janeiro.
'Ser padrinho de casamento impede julgar caso?', diz Gilmar após liberar empresário 'Ser padrinho de casamento impede julgar caso?', diz Gilmar após liberar empresário Revisado by CM on sábado, agosto 19, 2017 Classificação: 5

Postagem em destaque

SEJA UM OPERADOR DE COLHEITADEIRA: VAGAS LIMITADAS