Mutação de vírus da zika dificulta plano de vacina

Estudo de um pesquisador da Universidade de São Paulo (USP) aponta que o vírus da zika tem sofrido mutações em sua estrutura. Apesar de ainda não ser possível afirmar que um novo vírus surgiu, a produção de vacinas contra a doença, com as modificações que estão em curso, poderá ser dificultada.
"Não posso afirmar que vai surgir um vírus novo, mas está se caminhando para isso", afirma o professor Edison Luiz Durigon, à frente da pesquisa. O problema é que, se isso ocorrer, a procura por uma vacina para combater a doença ficará mais difícil, pois o remédio terá que combater todas as versões do vírus.
O pesquisador usa como exemplo a dengue, que possui quatro tipos diferentes e não possui vacina para combatê-la. Caso a mutação provoque o surgimento de um novo vírus da zika, ele diz ainda que uma versão pode não ser detectada pelos métodos de diagnóstico.
O trabalho de Durigon, apresentado no 28º Congresso Brasileiro de Virologia e 12º Encontro de Virologia do Mercosul, sequenciou a carga genética (RNA, correspondente ao DNA humano) do vírus, para a identificação da identidade viral.

Carga genética
Durigon ressalta, no entanto, que as modificações ocorridas ainda não podem ser consideradas cientificamente um novo tipo do micro-organismo. Para que se torne um novo vírus, é necessário ter pelo menos 10% de carga genética diferente da versão original, o que ainda não foi identificado.

Para chegar ao resultado, o professor, que é do Instituto de Ciências Biomédicas da USP e trabalhou com mais 20 pesquisadores de São Paulo, Bahia e Estados Unidos, acompanhou por um ano quatro pessoas infectadas: dois homens e duas mulheres, que foram observados desde a detecção da infecção até o expelimento total do zika. Foram analisadas amostras de sangue, saliva, urina e esperma, no caso dos homens.
O que foi verificado, explica Durigon, é que os homens, que expelem o vírus pelo esperma, demoraram até seis meses para ficar livres dele. Já as mulheres, nas quais o expelimento se dá por urina e saliva, o vírus sumiu em até um mês.
A pesquisa verificou ainda que, quanto mais tempo fica no corpo humano, mais o vírus sofre mutação. Assim, diz o coordenador do estudo, as mutações do zika em homens se dão "mais que o dobro de vezes" do que num corpo feminino.
Durigon não possui explicação para a diferença de tempo, mas acredita-se que o vírus se esconde nos testículos. Essa é a razão também da transmissão do zika por via sexual, quando o homem transmite um vírus com carga genética diferente do que infectou ele.

Novos genótipos
Diretor do Instituto Evandro Chagas (IEC), Pedro Vasconcelos diz que não acredita que aparecerão outros vírus da zika, como ocorre na dengue. "O que pode aparecer são novos genótipos que são o mesmo vírus, mas com pequenas modificações. É um vírus de RNA que durante o processo de replicação provoca mutações, mas não tem grande significado. É uma forma de tentar escapar do organismo".
O IEC, órgão vinculado ao Ministério da Saúde com sede no Pará, desenvolve uma vacina para a zika.
O trabalho está na fase final de testes em macacos. A etapa seguinte é a solicitação de autorização para ser testada em humanas, o que será feito, segundo ele, pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Leia mais...

Mutação de vírus da zika dificulta plano de vacina Mutação de vírus da zika dificulta plano de vacina Revisado by CM on terça-feira, setembro 26, 2017 Classificação: 5

Postagem em destaque

BOLICHE A MELHOR OPÇÃO EM DIVERSÃO EM BARREIRAS; Strike&Cia próximo ao Cais e Porto

BOLICHE EM BARREIRAS PRÓXIMO AO CAIS , as pistas e games estão todas funcionando. Faça sua reserva. Telefone: 77 3613-0502 | 99998-9112 ...