Barreiras vai ganhar delegacia de combate ao tráfico de drogas - Blog Barreiras Noticias || Gbahia.com

Barreiras vai ganhar delegacia de combate ao tráfico de drogas

O delegado Rivaldo Luz participou do programa Estação da Notícia, na Rádio Vale AM 600, na sexta-feira, 29 de setembro de 2017 e abordou importantes temas sobre segurança pública em entrevista ao jornalista Salomão Correia. O bacharel em Direito está a quase dois anos atuando em Barreiras. Foi titular da Delegacia Territorial de Luis Eduardo Magalhães, onde permaneceu por um período de seis anos e desenvolveu suas funções com grande habilidade e competência, por isso recebeu benemérita promoção da Secretaria de Segurança Pública do Estado ao cargo de coordenador da 11ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin/Barreiras).


O delegado falou a respeito da estrutura e o trabalho da Polícia Civil em Barreiras e região no combate a algumas modalidades de crimes. Mudanças ocasionadas na instituição (Polícia Civil) com a inauguração do Conjunto Penal, SICOM, DISEP, admissão de novos delegados plantonistas, escrivães e agentes investigadores.

Estação da Notícia – Como está a estrutura de trabalho da Polícia Civil atualmente no Oeste da Bahia?

Dr.Rivaldo – Barreiras tem ganhado grande reforço na segurança pública, apesar de estar muito longe do ideal, do que a cidade precisa, mas recebeu seis delegados novos, escrivães, 20 policiais civis e algumas viaturas que estão reforçando a segurança pública do Oeste. Barreiras está com seu quadro de funcionários completo e Luis Eduardo está com dois delegados. Recebemos o DISEP, o SINCOM e temos promessas de grandes novidades, que virão ainda este ano para a Polícia Civil. Agora foi nomeado um delegado novo para Santa Rita de Cássia, que fez um belo trabalho em Barra/BA e vai trabalhar em Barreiras no Núcleo de Tóxicos e Entorpecentes. Notícia que estou lhe passando em primeira mão. Teremos uma equipe especializada trabalhando no combate ao tráfico de drogas em Barreiras.

Estação da Notícia – Como vai ser esta unidade especializada?

Será uma equipe com quatro ou cinco policiais, um escrivão, um delegado, duas viaturas e armamento forte nesta unidade nominada de Núcleo de DTE. Essa equipe contará com o apoio da coordenadoria para trabalhar intensamente no combate ao tráfico de drogas, que acredito ser o crime que desencadeia outros crimes nesta cidade.

Estação da Notícia – O Governo da Bahia tem divulgado dados que mostram redução de números em algumas modalidades de crimes na região. Quais as ações têm colaborado para obtenção desses resultados?

Dr. Rivaldo – A redução no número de crimes é muito sensível para percepção da população, embora tenha números bastante expressivos, mas isso podemos entender. Estamos muito longe da segurança ideal, ainda temos dificuldades pontuais que são observadas, mas hoje Barreiras está com mais de 30 por cento de redução no número de homicídios. São quase 19 vítimas a menos que no ano passado, no mesmo período. Isso é muita coisa Salomão. São números também menores que 2015 e próximos dos dados de 2014. Fizemos trabalhos específicos aqui, em operações com a Polícia Militar e Rodoviária Federal. Apreendemos grande quantidade de droga no bairro Xurupita; numa força tarefa prendemos quase toda a quadrilha de Nêgo Jó, que através do tráfico, fomentava os crimes de homicídio e os assaltos no Oeste baiano. Reduzimos o número de roubos, principalmente de caminhonetes. Em contraprestação houve um aumento no índice de roubos de motocicletas, transeuntes, que são muitas vezes cometidos por menores. Ainda não temos alternativa definitiva para menores infratores, que dificilmente são punidos, porém, estamos trabalhando para encontrar uma alternativa para esse problema.

Estação da Notícia – Existe uma crise na segurança pública do país. A sociedade consequentemente vem cobrando mais da polícia. Isso tem gerado preocupação?

Nosso trabalho às vezes é ingrato, porque não é perceptível. A operação que desarticulou a quadrilha de Nêgo Jó durou mais de um ano.  O crime organizado também tem sua inteligência, mas estamos trabalhando diuturnamente, estamos tentando melhorar o atendimento à população, que é um ponto chave nas atividades diárias da polícia civil. Queremos mostrar que possuímos um perfil de estar pronta e presente para a sociedade. Agradecemos o apoio e interação que temos com a Polícia Militar, com a imprensa e com a Polícia Rodoviária Federal. Os comandos se falam diariamente, então acredito que em menos de seis meses ou um ano, dias melhores virão em Barreiras. Barreiras e Luis Eduardo são municípios violentos sim, no entanto, a violência é um problema do Brasil e estamos lutando para manter esses municípios com números toleráveis de violência, para que a população tenha uma vida menos difícil.

Estação da Notícia – Porque que ainda temos tantos casos de roubos, principalmente a transeunte?

Dr. Rivaldo – Porque geralmente agem de motocicleta, tem envolvimento de menores que são apreendidos diariamente e dificilmente são mantidos apreendidos, a menos que seja reiterada a prática desse ato infracional. Mesmo que ele fique apreendido, mas essa apreensão tem um tempo definido e voltam às ruas. Ainda não temos viaturas suficientes para combater o crime nas ruas da cidade. Há também o lado social de educação e a lei é branda para determinadas situações. As pessoas são presas e voltam às ruas em pouco espaço de tempo. Posso te dizer seguramente, que muitas pessoas que são flagradas roubando celular, roubando motocicletas e carros já foram presas dezenas de vezes.

Estação da Notícia – Como é que está Barreiras no combate ao tráfico de drogas?

Dr. Rivaldo – Este foi um ano bastante exitoso para as polícias em Barreiras. A Polícia Militar fez uma apreensão de armamento e de drogas bastante considerada este ano, e a Polícia Civil pontualmente fez duas operações que tirou muita droga da circulação. Fizemos apreensões na Xurupita, em Barreirinhas e na divisa de Formosa do Goiás, onde prendemos a quadrilha de Nego Jó, considerada a mais violenta e a que comandava o tráfico na cidade. Existem outras pessoas traficando, mas estamos em diligência diariamente e com a implantação da DTE seremos efetivos no combate ao tráfico. Posso dizer Salomão, que temos uma interação bastante interessante, respeitosa e de cumplicidade legal com o Judiciário. A gente consegue falar sempre com o Ministério Público, porém, algumas ações são lentas, nem sempre a gente consegue êxito, nem sempre as coisas dão certo, mas quando alcançamos nossos objetivos, conseguimos proporcionar calmaria na cidade. Temos operações em andamento e muito em breve traremos novos resultados.

Estação da Notícia – O DHPP ganhou nova sede. O que isso traz de mudanças no trabalho da divisão de homicídios?

Dr. Rivaldo – Além de ficar perto da Polícia Técnica, porque o homicídio é um crime delicado e precisa de um local tranquilo e adequado, as instalações são novas, viaturas novas, uma delas despadronizada e armamentos novos. Em função desses investimentos, o Departamento de Homicídios apresentou um índice de elucidação de crimes que passa de 60 por cento. Estamos acima das estatísticas da Bahia, que estão em torno de 21 por cento.  Portanto, melhoramos muito e vamos melhorar mais ainda!

Estação da Notícia – O que mudou nos trabalhos da Polícia Civil com a inauguração do Conjunto Penal e a contratação de novos delegados e agentes investigadores?

Dr. Rivaldo – Volto a dizer que, a percepção da sociedade demora um pouco, porque o resultado não se faz da noite para o dia. Não temos mais presos em nenhuma delegacia do Oeste. Então o nosso efetivo foi reforçado em 20 ou 30 por cento com o funcionamento do Conjunto Penal. Com a chegada dos novos servidores e retirada dos presos, eu solto os policiais para investigar. Por isso estou montando agora o Departamento de Tóxicos e Entorpecentes, porque estou tendo efetivo suficiente para criar esse departamento específico nesta área. Em médio prazo teremos resultados nas apreensões e na redução da criminalidade.

Estação da notícia – Ainda temos um grande déficit de delegados e agentes investigadores nos municípios subordinados a 11ª COORPIN ?

Dr. Rivaldo – Existe sim. Na sede e Luis Eduardo nós temos um número de delegados e agentes que chega mais perto do suficiente, mas tenho déficit em Santa Rita de Cássia, Wanderley, Cotegipe, Cristópolis e outras cidades menores. O Governador anunciou concurso para o final do ano, e, desta forma, a gente espera que cidades com fluxo maior, possam ter delegacias com delegados, escrivães e agentes investigadores. A presença física e específica da polícia civil em todas as cidades.

Estação da Notícia – A grande mídia nacional tem falado muito em crise na segurança pública do país. Até que ponto essa crise tem afetado a região Oeste da Bahia?

Dr. Rivaldo – Salomão, eu não refuto falar que, talvez, depois da corrupção, seja o maior problema do Brasil hoje. Nossa situação é muito delicada, mas Barreiras enfrenta um momento sui generis na Bahia, porque estamos em condições administráveis. Redução em homicídios, redução em roubos de veículos, estabelecimentos comerciais, em residências. Coincidência ou trabalho da polícia, que eu tenho certeza que é o esforço da polícia, os números de Barreiras e da nossa regional são bastante interessantes.

Estação da Notícia – Nós percebemos que a polícia mudou sua compostura de trabalho contra o crime organizado. Ela passou a ser mais enérgica contra os ladrões de carga, ladrões de bancos. Essas ações mais duras contra o crime têm funcionado?

Dr. Rivaldo – Com certeza, mas é bom pontuar que a polícia é o começo de tudo, a polícia prende, formaliza, todavia, ela precisa do Ministério Público, precisa do Judiciário e de locais para os presos cumprirem penas sem ficar falando ao telefone e comandando o crime de dentro da cadeia, precisa da ressocialização para que haja a reinserção dessas pessoas ao seio da sociedade.

Estação da Notícia – É a favor de uma mudança na legislação para melhoria de nossa segurança pública?

Dr. Rivaldo – Uma mudança de legislação e principalmente de postura do cidadão. Uma pessoa que saiba discernir o que é certo e o que é errado. A Lei é um problema, mas se conseguirmos pelo menos aplicar a Lei que existe, já será uma grande coisa. Não adianta mudar a legislação e não conseguir fazer com que ela seja aplicada. Não adianta prender, se eu não tiver onde colocar o preso, como também não adianta prender, se não tiver juiz para julgá-lo. Tem que ter polícia forte na rua, bem treinada, armada, bem selecionada, com apoio da população, Ministério Público atuante, judiciário que entenda aos anseios da sociedade e as necessidades da cidade em que ele vive. Também precisamos ter presídio adequado, sem superlotação, que evite o uso de celular, com revista criteriosa, que trate presos e familiares de forma adequada também e um governo que se preocupe com as vítimas da criminalidade.

Estação da Notícia – O senhor defende a redução da maioridade penal?

Não adianta reduzir a maioridade penal e não ter presídio para colocar os menores. Vou reduzir a maioridade para 16 anos, mas vou aumentar a população carcerária para 400 ou 500 e deixar a unidade prisional superlotada.    Se não tem lugar para acolhimento e recuperação de menor, não adianta prender e soltar no outro dia. Precisamos de lugar adequado para cumprimento de penas. Com lugar para apreender menores, para prender mulheres e homens, a polícia vai trabalhar e deixar de ficar “enxugando gelo”.

Alô Alô Salomão
Barreiras vai ganhar delegacia de combate ao tráfico de drogas Barreiras vai ganhar delegacia de  combate ao tráfico de drogas Revisado by Oeste Politica on sábado, outubro 07, 2017 Classificação: 5

Postagem em destaque

BOLICHE A MELHOR OPÇÃO EM DIVERSÃO EM BARREIRAS; Strike&Cia próximo ao Cais e Porto

BOLICHE EM BARREIRAS PRÓXIMO AO CAIS , as pistas e games est ão todas funcionando. Faça sua reserva. Telefone : 77 3613-0502 | 99998-...