MP pede afastamento de prefeito de Jaguarari por contrato ilegal com empresa durante festejos juninos - Blog Barreiras Noticias || O Vlog do oeste da Bahia

MP pede afastamento de prefeito de Jaguarari por contrato ilegal com empresa durante festejos juninos


O Ministério Público do Estado (MP-BA) informou nesta sexta-feira (9) que pediu o afastamento de Everton Rocha (PSDB), prefeito de Jaguarari, cidade do norte da Bahia, por improbidade administrativa.

Conforme disse o órgão estadual, na ação civil pública, com pedido de liminar, ajuizada no domingo (4), o promotor de Justiça Igor Clóvis Miranda solicitou ainda o afastamento de cinco funcionários comissionados que atuam no município, entre eles o ex-secretário de educação do município.

O órgão já havia pedido o afastamento do prefeito em outubro de 2017, mas referente à outra denúncia: nepotismo. Segundo o MP-BA, o pedido do ano passado e o deste ano são de ações civis públicas diferentes.

Com relação ao pedido deste mês de março, o MP-BA disse que Everton Rocha e cinco servidores são apontados por contratar de forma ilegal, via inexigibilidade de licitação, uma empresa que seria responsável por providenciar atrações artísticas durante os festejos juninos do ano passado. O valor do contrato, segundo o MP-BA, foi de R$ 1,15 milhão.

A prefeitura, através de um advogado se posicionou sobre o caso do prefeito e por meio de nota informou que a ação é inconsistente já que a modalidade de inexigibilidade está prevista em Lei para o tipo de objeto contratado, que era a realização de contratação artística. Disse ainda que as provas serão apresentadas à justiça, que deverá se posicionar sobre o pedido de liminar do Ministério Público.

Ainda não há informações de qual é o posicionamento da Justiça diante do pedido do órgão estadual.

O MP-BA detalhou que, conforme a ação, houve direcionamento fraudulento na contratação da empresa, inclusive com valor acima do mercado e apenas dois meses antes do município decretar estado de emergência em razão dos graves efeitos da prolongada seca na região.

O promotor do caso apontou ainda que os agentes públicos produziram documentos faltos após a contratação e o pagamento.

Ação na Câmara


A ação civil pública do MP-BA se estendeu à Câmara de Vereadores segundo informações do órgão ainda nesta sexta-feira. Além dos pedidos de afastamento do prefeito e funcionários comissionados, o MP informou que denunciou, na quarta-feira (7), o presidente da Câmara por desvio dinheiro público.

De acordo com Ministério Público estadual, Márcio José Gomes de Araújo é apontado pelo MP-BA por se apropriar indevidamente de recursos públicos em proveito próprio e de terceiros.

O G1 tentou falar com o veredor, mas não obteve retorno.

Segundo o promotor Igor Clóvis Miranda, o presidente da Casa Legislativa desviou recursos na contratação do plano empresarial de telefonia celular que incluiu oito linhas já habilitadas, onde os beneficiários eram Márcio Gomes, a esposa dele e outros seis vereadores.

Para realizar o pagamento mensal de R$ 1,8 mil pelo plano, o vereador denunciado pediu à dona da loja de telefonia que informasse dados de contas bancárias onde poderia ser depositado o valor.

Na ocasião, a empresa informou os dados de duas funcionárias da loja. As mulheres recebiam o dinheiro acreditando ser o pagamento do plano de telefonia celular.

Entretanto, o vereador nomeou essas duas funcionárias em cargos da assessora legislativa, com remuneração mensal de R$ 1.970, mas segundo o promotor, as funcionárias não sabiam da nomeação e acreditavam que o dinheiro que recebiam era do plano telefônico. Ou seja, conforme a denúncia, o vereador pagava o plano com o dinheiro público e justificava o gasto apontando o pagamento salarial das supostas funcionárias.

O pagamento foi realizado durante nove meses, de fevereiro a outubro de 2017.

Nepotismo

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) pediu à Justiça que, de forma liminar, suspendesse a nomeação e determinesse o afastamento de um secretário e de mais sete servidores da prefeitura de Jaguarari, no norte da Bahia, por nepotismo.

O pedido foi realizado em ação civil pública por ato de improbidade administrativa ajuizada na terça-feira (17), pelo promotor de Justiça Jair Antônio Silva de Lima. O órgão, agora, aguarda decisão judicial, que pode ser favorável ou não ao pedido.

A ação foi movida contra o prefeito da cidade, Everton Carvalho Rocha, contra o secretário municipal de Obras, João Marques de Melo, e os sete servidores -- seis sobrinhos do secretário e a mulher de um deles, segundo o MP.

Segundo o promotor, o prefeito Everton Rocha teria decretado as nomeações como "benefício próprio e também pessoal ao secretário municipal e ao vereador".

A ação também aponta que a prefeitura municipal não atendeu a uma recomendação expedida pelo MP, há quatro meses, para que fossem identificados e coibidos os casos de nepotismo. Em definitivo, o órgão pede a condenação de todos por prática de improbidade.
 
Por G1 BA
MP pede afastamento de prefeito de Jaguarari por contrato ilegal com empresa durante festejos juninos  MP pede afastamento de prefeito de Jaguarari por contrato ilegal com empresa durante festejos juninos Revisado by CM on sábado, março 10, 2018 Classificação: 5

Postagem em destaque

SÃO DESIDÉRIO FEST 2018