Estudo traça histórias de mulheres que foram da fome à obesidade - Blog Barreiras Noticias || O Vlog do oeste da Bahia

Estudo traça histórias de mulheres que foram da fome à obesidade

O aumento da obesidade é uma realidade em todas as faixas etárias, em ambos os sexos e em todos os níveis de escolaridade no Brasil. Analisando os dados com um pouco mais de atenção, é possível ver quem mais engordou nas últimas décadas: as mulheres com menos estudo.

Entre 2006 e 2017, houve um aumento de 12,1% para 18,7% na prevalência da obesidade (IMC acima de 30 kg/m²) e de 38,5% para 51,2% na de excesso de peso (IMC acima de 25 kg/m²) entre as mulheres, segundo os dados do sistema Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), do Ministério da Saúde. Entre aquelas que têm até oito anos de estudo, os números saltam para 25,5% e 61,7%, respectivamente, na última pesquisa. O IMC é calculado dividindo o peso da pessoa por sua altura multiplicada ao quadrado.

Observando essa tendência desde levantamentos anteriores, o OBHA (Observatório Brasileiro de Hábitos Alimentares), da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), vem trabalhando em um estudo qualitativo para traçar os motivos que levaram a um aumento mais acentuado dos índices de obesidade entre as mulheres mais pobres.
Segundo a coordenadora do OBHA Denise Oliveira e Silva, a desigualdade social radicalizou os fatores externos que causam o aumento do peso. "Os alimentos processados, que eram consumidos pelas classes mais altas, passam a ser os alimentos mais baratos, para as classes de menor renda. Também há uma dificuldade em se exercitar", disse a nutricionista e antropóloga da alimentação.

Na pesquisa, feita com beneficiárias do programa Bolsa Família, ainda se observou que a experiência da fome é presente na história de vida de grande parte delas --o que pode ter alterado o metabolismo, passando a queimar menos calorias. "Essa hipótese ainda vai ser mais estudada, de uma possível economia energética que ocorre desde a experiência da fome. Todas elas falam que passaram fome na infância", contou Denise. A OMS (Organização Mundial da Saúde) assume a presença de fome e de carências nutricionais na infância como fator de risco para obesidade na fase adulta. 

Barreiras Notícias / UOL
Estudo traça histórias de mulheres que foram da fome à obesidade Estudo traça histórias de mulheres que foram da fome à obesidade Revisado by Oeste Politica on quarta-feira, agosto 01, 2018 Classificação: 5

Postagem em destaque

Benefícios do Mel

Além de ser utilizado como adoçante natural, o mel também pode ser usado para fortalecer o sistema imunológico, melhorar a capacidade dig...