LEM
Na Bahia, defensor da maconha se alia ao PSL ~ Blog Barreiras Noticias || O Vlog do oeste da Bahia

quinta-feira, agosto 30, 2018

Na Bahia, defensor da maconha se alia ao PSL

As alianças firmadas pelo PSL na Bahia levaram para o palanque do presidenciável Jair Bolsonaro figuras como um impopular ex-prefeito de Salvador e um vereador com histórico de atritos com a Polícia Militar e que é defensor da legalização da maconha.


O PSL forma aliança com o PRTB, PHS e PPS e fará parte da coligação que lançou o ex-prefeito de Salvador João Henrique Carneiro (PRTB) ao governo do estado.

Com a aliança na disputa proporcional, o partido poderá ajudar a eleger o vereador e cantor de pagode Igor Kannário (PHS), que disputa uma vaga de deputado federal na mesma coligação.

Ele afirma ser um defensor da legalização da maconha —bandeira que vai na direção oposta em relação a propostas defendidas por Bolsonaro e seus correligionários.

Com grande popularidade na periferia de Salvador, Igor Kannário, 33, tem uma carreira controversa e marcada por episódios polêmicos. Parte de suas músicas são apontadas como incitação à violência —uma delas traz o verso "se vier, eu bagaço [destruo]".

No Carnaval deste ano, discutiu com policiais de cima de um trio elétrico após soldados atuarem para deter uma confusão entre foliões que o acompanhavam. "Quando eu for deputado, vou acabar com o spray de pimenta", disse Kannário após a polícia usar o equipamento.

Meses depois, discutiu novamente com policiais na Micareta de Feira de Santana e afirmou ser "mais autoridade" do que eles por ser vereador. Kannário também foi detido por duas vezes, no início de 2015, por porte de maconha.

Procurado, o vereador disse que as críticas a sua candidatura vêm de pessoas que tentam desmerecer a força de seus eleitores: "A possibilidade real da eleição de um favelado assusta muita gente". Ele não quis comentar sobre temas como sua relação com a polícia e defesa da maconha.

Presidente do PSL na Bahia, a professora Dayane Pimentel diz que a coligação foi firmada para favorecer os candidatos de seu partido no coeficiente eleitoral. Mas afirma repudiar a presença de Kannário entre os integrantes da coligação.

Ela diz que seus correligionários não ajudarão a eleger Kannário, mas o contrário: "Ele que vai ajudar a eleger homens e mulheres de bem. Quando Deus quer, até o diabo obedece."

Na eleição majoritária, o PSL baiano estará no palanque do ex-prefeito João Henrique Carneiro, candidato a governador.

Prefeito de 2005 a 2012, João Henrique deixou a prefeitura com quatro contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios. Impopular, ele não lançou nenhum candidato a sua sucessão.

A aliança na Bahia foi firmada depois que o PSL coligou-se nacionalmente com o PRTB, que indicou o general Hamilton Mourão como vice de Bolsonaro. O PSL da Bahia, contudo, diz que não apoiará o ex-prefeito.

Mesmo sem a contrapartida de apoio, João Henrique —que tem trajetória política em partidos como o PDT—, tornou-se um dos maiores entusiastas da candidatura presidencial de Jair Bolsonaro no estado.

"Não fui em quem mudei. O Brasil que mudou. Temos um excesso de democracia no país e a solução é elegermos Bolsonaro", afirma.

Há dois anos, ele lançou-se candidato a vereador pelo PR vestindo uma camisa com a imagem de Che Guevara, líder e um dos símbolos da revolução cubana. Teve 5.292 votos e não foi eleito.

Barreiras Notícias / Bocão News

Curta nossa Fan-Page