Bolsonaro enfrenta 1ª greve nacional após cortes na educação

Os cortes anunciados para a área da educação são tema do primeiro grande protesto contra o governo Jair Bolsonaro (PSL), que acontece hoje nas principais cidades de 26 estados e no Distrito Federal. Os atos são em defesa das universidades federais, da pesquisa científica e do investimento na educação básica
e acontecem após o MEC (Ministério da Educação) anunciar um congelamento orçamentário que atinge recursos desde a educação infantil até a pós-graduação, com suspensão de bolsas de pesquisa oferecidas pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior).

Nas universidades federais, o bloqueio anunciado foi de 30% dos recursos destinados a gastos discricionários (como água, luz e serviços de manutenção). 

Estados já registram manifestações Por volta das 11h, professores, estudantes e trabalhadores da educação participavam de protestos em alguns estados. Foram registradas manifestações na Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Paraíba, Pernambuco, Piauí e São Paulo. Alunos e docentes da USP (Universidade de São Paulo) realizaram protesto na manhã de hoje nos arredores da instituição, na zona oeste de São Paulo, bloqueando ruas e avenidas do entorno da cidade universitária. Os maiores protestos são esperados para o período da tarde em São Paulo e no Rio de Janeiro. Na capital paulista, o ato está marcado para as 14h, nono Masp, na avenida Paulista. No Rio, havia concentração de grupos nesta manhã na Cinelândia, no centro, para as aulas públicas. A concentração será na Candelária, palco habitual de protestos na cidade. No início da noite, está prevista uma caminhada até a Central do Brasil.
Escolas públicas e privadas também participam Entidades como a UNE (União Nacional dos Estudantes), a ANPG (Associação Nacional dos Pós-Graduandos) e a Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) convocaram estudantes de todo o país a participar da mobilização de hoje. Escolas municipais e estaduais de São Paulo amanheceram com as portas fechadas na manhã de hoje.

Ato é "esquenta" para greve nacional marcada para dia 14 de junho Centrais sindicais já haviam convocado, para a mesma data, um protesto contra a reforma da Previdência. Para Antonio Gonçalves, presidente do Andes (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior), o anúncio dos cortes fez com que o movimento pela educação ganhasse "mais corpo".

"O objetivo é barrar a política educacional do governo, reverter os cortes e ampliar o investimento na educação pública e gratuita", diz. "Não estamos hierarquizando pautas. A gente vai para a rua em defesa da educação pública e contra a reforma da Previdência." 

Barreiras Notícias  /  UOL
Bolsonaro enfrenta 1ª greve nacional após cortes na educação Bolsonaro enfrenta 1ª greve nacional após cortes na educação Reviewed by Oeste Politica on quarta-feira, maio 15, 2019 Rating: 5

Postagem em destaque

ACABE COM A INADIMPLÊNCIA DA SUA EMPRESA