Ministério Público reconhece legalidade do decreto de calamidade em Luís Eduardo Magalhães

Estado de calamidade pública está em vigor até o dia 31 de dezembro de 2020

O Ministério Público da Bahia (MP) indeferiu o pedido de instauração de procedimento administrativo para avaliar supostas irregularidades no decreto baixado pela Prefeitura de Luís Eduardo Magalhães, determinando o estado de calamidade pública até o dia 31 de dezembro de 2020, por conta da pandemia do novo coronavírus. O MP entendeu que não houve irregularidade e arquivou a solicitação.


De acordo com a decisão, o Ministério Público entendeu que de acordo com a Lei de Responsabilidade Fiscal, o Município obteve autorização da Assembleia Legislativa da Bahia e que, constitucionalmente, o Município tem competência suplementar para decretar estado de calamidade para outros fins pelo tempo que entender necessário e que não houve desrespeito.

Ainda segundo a decisão, o MP verificou que não houve nenhum tipo de lesão ou sequer ameaça de lesão a direitos, decidindo pelo arquivamento da notícia de fato, sem a propositura de nenhum procedimento investigatório.

De acordo com a procuradora geral de Luís Eduardo Magalhães, Taciana Nadal, esta é mais uma demonstração de que a atual gestão atua seguindo rigorosamente o que estabelece a legislação.

“Nunca tivemos dúvidas que o decreto atende a todas as normas legais. Sempre trabalhamos e continuaremos a atuar da maneira correta, defendendo os interesses da nossa população”, comentou Taciana Nadal.


Barreiras Notícias / Ascom, Prefeitura de Luís Eduardo Magalhães
Ministério Público reconhece legalidade do decreto de calamidade em Luís Eduardo Magalhães Ministério Público reconhece legalidade do decreto de calamidade em Luís Eduardo Magalhães Reviewed by Jbarreiras on 09:25 Rating: 5

Sem comentários

Postagem em destaque

PRIME TELECOM | FIBRA ÓPTICA EM BARREIRAS