html image example
Preso homem apontado como dono de fábrica clandestina de álcool em gel de Cruz das Almas ~ Blog Barreiras Noticias | Oeste Baiano no Geral

 

Fábrica foi descoberta em março, em Cruz das Almas — Foto: Divulgação/SSP-BA

Um homem apontado pela polícia como dono de uma fábrica clandestina de álcool em gel de Cruz das Almas cidade do recôncavo da Bahia, foi preso na manhã desta quinta-feira (10). Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), prisão ocorreu após policiais do Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual (BPRv) identificarem o homem em uma praça de pedágio, na BA-526 (Cia/Aeroporto).

Ainda de acordo com a SSP-BA, o homem tinha mandado de prisão expedido desde de 30 de março, quando a fábrica clandestina foi localizada.

O subcomandante do BPRv, major Fábio Dias, explicou que os policiais identificaram o criminoso durante blitz na rodovia estadual. “Após consulta do nome, verificamos o mandado de prisão e encaminhamos o foragido para a Central de Flagrantes”, disse o oficial.

Na época em que a fábrica foi descoberta, dono conseguiu fugir — Foto: Divulgação/SSP-BA

Na época em que a fábrica foi descoberta, dono conseguiu fugir — Foto: Divulgação/SSP-BA

Segundo o delegado titular da Delegacia Territorial de Cruz das Almas, Cristóvão Éder, quando a polícia identificou a fábrica clandestina, em março, o proprietário conseguiu fugir.

“Ele gravou um vídeo em novembro, ostentando em uma lancha e debochando da Justiça e da polícia. Agora conseguirmos cumprir o mandado e dar uma resposta à sociedade”, completou.

Em março, no galpão do estabelecimento ilegal, foram encontrados máquinas como envazador, misturador, milhares de embalagens com rótulo de álcool em gel a 70%, 11 tonéis com insumos, sete galões de propileno glicol, centenas de caixas para embalar, 15 caixas com o produto já pronto para venda, embalagens vazias de gel de cabelo e frascos de perfumes que também eram falsificados no local.

Ainda segundo o delegado, o laudo do Departamento de Polícia Técnica (DPT) confirmou que os produtos encontrados na fábrica eram falsos. “Ele responderá por falsificação de produto saneante, com pena entre 10 e 15 anos”, finalizou.

  G1 Bahia.