O leitor deve lembrar-se da greve de caminhoneiros de 2018, quando o Brasil sofreu com o desabastecimento. Basta citar as filas gigantes nos postos de gasolina, para refrescar a memória. 

Obviamente, existia um tom político naquele momento, porque interessava a muitos a inviabilização do governo Dilma, deixando Temer em seu lugar. Mas, agora, será qual motivo? 

Segundo o presidente da Associação Nacional do Transporte Autônomos do Brasil (ANTB), José Roberto Stringasci, é grande a insatisfação da categoria com o preço do diesel e as promessas não cumpridas após a última greve. 

Para evitar a greve, Stringasci disse em entrevista à Rede CNN que querem uma reunião com o presidente, pois o apoiaram 100% em 2018. Afirmou também que a greve pode ainda ser maior que a anterior.