html image example
AO CUSTO DE R$ 600 CADA, CERCA DE 50 EMPRESÁRIOS TOMAM VACINAS ÀS ESCONDIDAS ~ Blog Barreiras Noticias | Oeste Baiano no Geral

Um grupo com aproximadamente 50 empresário, sob liderança dos irmãos Rômulo e Robson Lessa, donos da viação Saritur, conseguiu importar imunizantes contra a Covid-19 da Pfizer e se vacinou às escondidas, em Minas Gerais.
A ação viola os termos da lei aprovada pelo Senado Federal no início de março, a qual autoriza a compra de vacinas pela iniciativa privada, mas determina que todas as doses devem ser doadas ao SUS até que os grupos de risco tenham sido plenamente imunizados em todo o país.

Segundo reportagem da revista Piauí, a primeira dose foi administrada nesta terça-feira (23) e a segunda está programada para ser aplicadas após trinta dias. As duas doses custaram a cada pessoa 600 reais e a garagem de uma empresa do grupo foi improvisada como posto de vacinação.

Um dos vacinados, de acordo com a reportagem, é o ex-senador Clésio Andrade, que também é ex-presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT). “Estou com 69 anos, minha vacinação [pelo SUS] seria na semana que vem, eu nem precisava, mas tomei. Fui convidado, foi gratuito para mim”, disse Andrade à reportagem.

O projeto aprovado pelo Congresso é de autoria do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), cuja família é do ramo dos transportes em Minas Gerais. Procurado, Pacheco afirmou desconhecer o assunto. Após a publicação da reportagem, o presidente do Senado afirmou: “A matéria não foi feliz quando me insere num fato do qual nem de longe participei e que, se existiu, não concordo. E a lei referida não admite vacinação privada, mas aquisição de vacina para doação ao SUS”.

Publicação da Folha aponta que a família de Pacheco administra duas companhias do ramo de trasnportes, a Viação Real e a Santa Rita. O senador é autor da indicação do presidente da ANTT, agência reguladora do setor de transportes, mas o nome ainda não foi aprovado. Pacheco disse que não mistura negócios privados com sua atividade parlamentar.

Também integra a lista de vacinados, conforme divulgado pela revista, o deputado estadual de Minas Alencar da Silveira (PDT). Silveira contou que já tinha tido Covid, mas foi se vacinar com autorização de seu médico. À piauí, ele disse que já tinha sido infectado pelo novo coronavírus e negou que tivesse participado da imunização paralela. “Não estou sabendo, não. Até gostaria, mas estou com coronavírus, nem posso”, afirmou.

De acordo com relatos, o grupo foi vacinado por uma enfermeira que atrasou porque estava imunizando outro grupo na Belgo Mineira, mineradora hoje pertencente à ArcellorMittal Aços (Bahia Notícias).