html image example
Doria inclui atividades religiosas na lista de serviços essenciais de SP ~ Blog Barreiras Noticias | Oeste Baiano no Geral

 

  © Governo de São Paulo O governador de São Paulo, João Doria, assinou nesta 2ª feira (1º.mar.2021) o decreto que torna as atividades religiosas serviços essenciais

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), assinou um decreto para que atividades religiosas sejam reconhecidas como serviços essenciais no Estado. A decisão foi anunciada por chefe do Executivo no Twitter, nesta 2ª feira

(1º.mar.2021).

Em um vídeo, o governador afirma que a decisão será publicada na 3ª feira no Diário Oficial do Estado de São Paulo e que o decreto reconhece a “essencialidade” das igrejas. E completou: “Esperança, fé e oração. Com vacinas, vamos vencer a Covid“.

Essa é uma posição diferente da adotada por Doria no início da pandemia. Em março de 2020, ele chegou a pedir que atividades religiosas fossem realizadas pela internet. Na época, o pedido do governador de São Paulo foi uma resposta ao decreto assinado por Bolsonaro que também incluía as reuniões religiosas como um serviço essencial que poderia funcionar mesmo nos piores momentos da pandemia.

De forma prática, o decreto altera pouca coisa, já que mesmo na fase vermelha, a mais crítica segundo o Plano SP de combate à pandemia no Estado, já não proibia cultos e reuniões religiosas. Desde que seguissem regras sanitárias e um mínimo distanciamento social, os cultos e missas já estavam liberados.

Atualmente, a Grande São Paulo, que inclui a capital, e as regiões de Campinas, de Registro e de Sorocaba estão na fase laranja do Plano SP. Ou seja, serviços não essenciais, como restaurantes, podem funcionar até as 20h.

Já as regiões de Barretos, Ribeirão Preto, Presidente Prudente, Marília, Araraquara e Bauru estão na fase mais restritiva, a vermelha. Com essa classificação, os serviços essenciais que têm permissão para funcionar são:

  • Farmácias;
  • Mercados;
  • Padarias;
  • Açougues;
  • Postos de combustíveis;
  • Lavanderias;
  • Meios de transporte coletivo, como ônibus, trens e metrô;
  • Transportadoras, oficinas de veículos;
  • Hotéis, pousadas e outros serviços de hotelaria;
  • Bancos;
  • Pet shops;
  • Atividades religiosas.