html image example
Homem trans denuncia casal por agressões físicas e verbais em Vitória da Conquista: ‘Deram tijoladas na minha cabeça’ ~ Blog Barreiras Noticias | Oeste Baiano no Geral

Um jovem transgênero denuncia ter sofrido agressões físicas e verbais, quando voltava para casa, em Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia. Os crimes teriam sido praticados por um casal, na noite de segunda-feira (12).

O rapaz, que preferiu não ter a identidade divulgada, contou em

entrevista à TV Sudoeste que os dois apresentavam sinais de embriaguez, e as agressões teriam partido, inicialmente, do homem.

Thank you for watching

“Enquanto ele estava me batendo sozinho, eu estava conseguindo me defender. Mas acabei caindo, porque tenho uma deficiência na perna direita. A esposa dele veio também e eles deram várias tijoladas na minha cabeça”, detalha.
De acordo com a vítima, os suspeitos chegaram a invadir a casa onde mora, para continuar com as agressões.

“Enquanto ela me batia, dizia ‘Estou me vingando. Já matei, é para matar’. Consegui entrar em casa, estava sangrando muito. Eles invadiram, entraram no quarto dos filhos da minha companheira para também tentar agredi-los, mas um amigo que estava lá não permitiu, junto com os vizinhos”.
De acordo com a Polícia Civil, a ocorrência foi registrada na delegacia de Vitória da Conquista, onde a vítima forneceu os prenomes dos envolvidos, que não foram divulgados. O crime foi tipificado como lesão corporal e injúria. O caso segue investigado e até o momento, ninguém foi preso.

Agressão ‘social’
A vítima foi socorrida por equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência para o Hospital Geral de Vitória da Conquista (HGVC). Na unidade de saúde, outro problema: o atendente teria se recusado a chamá-lo pelo nome social, porque ele ainda não fez a mudança no documento de identidade.

“Pelo fato de eu ser um menino trans e não ter ainda a minha documentação regularizada o atendimento se recusou a respeitar a minha condição, que é coberta pela lei. Ainda que o registro não tenha sido feito, eu tenho direito de ser chamado como eu me enxergo”.
A vítima conta que só recebeu atendimento porque um advogado que estava no local exigiu que os direitos dele fossem respeitados. O uso do nome social é um direito previsto por lei.

De acordo com a presidente da Comissão de Diversidade de Identidade de Gênero da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Sandra Paiva, é direito das pessoas transexuais e travestis usarem o nome social, ou seja, o nome com o qual se identificam.

“Nós temos um decreto federal que regulamente. É um direito ser identificado com o nome que ele ou ela se identifica. Infelizmente, no hospital de base [HGVC] esse atendimento não aconteceu”, explica.
A presidente afirma que o hospital será oficiado para situações como esta não voltem a acontecer. O hospital informou que as direções administrativas e de enfermagem estão apurando a denuncia para que haja resolução. Disse ainda que o complexo do hospital repudia qualquer atitude transfóbica ou que fira os direitos da comunidade LGBTQIA+. (G1)