html image example
Talibã agora é o grupo terrorista mais rico do mundo com 2,7 trilhões de dólares estimados ~ Blog Barreiras Noticias | Oeste Baiano no Geral

  Os implacáveis ​​terroristas que levaram apenas duas semanas para assumir o controle do Afeganistão após a retirada das tropas dos EUA estão sentados em uma verdadeira fortuna de riquezas inexploradas no subsolo.
Diversas províncias do país são repletas de ferro, cobre, ouro, carvão e outros recursos minerais que, somados, podem ultrapassar o valor de 2,7 trilhões de dólares!

Em 2010, um enorme campo de petróleo com 1,8 bilhão de barris foi descoberto. Isso representa uma incrível fortuna 137 bilhões de dólares em valor de mercado. E, as riquezas não param por aí. Não somente petróleo, mas uma fonte de 500 milhões de barris de gás natural estão no subsolo, o que eleva ainda mais a fortuna.

Geólogos acreditam que o Afeganistão tem um dos maiores depósitos de lítio do mundo — um mineral extremamente importante de interesse mundial, porém escasso, usado em baterias.

As estimativas ainda apontam a existência de 2,2 bilhões de toneladas de minério de ferro avaliadas em 343 bilhões de dólares, além de toneladas de ouro aguardando mineração.

A maior riqueza do país está em seu subsolo, com volumes impressionantes de minerais e até mesmo pedras preciosas. Após décadas de guerra, os líderes do Talibã são os novos donos das terras, e podem desfrutar de fortunas colossais.

Estima-se que o Talibã irá usufruir dessa riqueza através de contratos com outros países, como a China, que precisa dos minerais do Afeganistão para que sua indústria cresça exponencialmente.

De acordo com a OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), o Talibã fatura anualmente 460 milhões de dólares através da mineração de ferro, cobre, ouro, zinco e mármore — algo considerado pouco diante do potencial natural. Também arrecadam com venda maciça no comércio mundial de heroína.

Os últimos relatos afirmam que os integrantes do Talibã estão exibindo maços de dinheiro deixados pelas tropas norte-americanas, autoridades, embaixadores e diretores de outras organizações que fugiram do país.

Especialistas estão alarmados com a perspectiva do Talibã controlar uma fortuna tão grande, o que pode gerar consequências em nível global.

“Se o Talibã atual for o mesmo antigo Talibã, o mundo tem muito com que se preocupar. A vitória do Talibã não aumentará apenas a moral de outros grupos terroristas islâmicos ao redor do mundo, mas também fortalecerá esses grupos com mais arma e dinheiro vindo das drogas”, disse Ashok Swain, professor e pesquisador de paz e conflito da Universidade de Uppsala, na Suécia, em entrevista ao britânico The Sun.

Riqueza do ópio

O Afeganistão continua sendo o maior produtor mundial de ópio e essa posição será fortalecida pelo Talibã agora governando oficialmente o país. O ópio é retirado da papoula, que é vastamente plantada por lá.

A ONU teme que a crise no país seja a receita perfeita para uma verdadeira explosão na produção de ópio, dando mais poder e dinheiro ao grupo.

O Talibã governou o Afeganistão entre os anos de 1996 e 2001 e há muito tempo está envolvido no gigantesco comércio de drogas, através da extração do ópio, tráfico, cobranças de tarifas de laboratórios de drogas no país e cobrança de taxas a cada remessa de drogas enviadas para a África, Ásia, Europa, Canada, Rússia e Oriente Médico.

Funcionários da ONU afirmam que o grupo ganhou mais de 400 milhões de dólares entre 2018 e 2019 com a indústria dos narcóticos do Afeganistão. E os EUA estimam que 60% do faturamento anual do Talibã é derivado do comércio de drogas.



Consequências da retirada

A rápida retirada das tropas norte-americana deixou de lado equipamento e munições, o que só aumentou a riqueza e o poder do Talibã. Estima-se que 17 bilhões de dólares em armas e veículos militares tenham ficado para trás.

Joseph Parkes, analista de segurança da Ásia na empresa de inteligência de risco Verisk Maplecroft, alertou que a liderança caótica do Talibã pode ser um problema.

“A comunidade internacional deve abordar o Talibã com olhos abertos e estar consciente da ameaça que eles e seus parceiros terroristas provavelmente continuarão a representar. Resta saber se parte do dinheiro do Talibã será usada ou não para permitir que a Al Qaeda e seus afiliados recriem uma nova infraestrutura terrorista no Afeganistão.”, disse Parkes.


Fonte(s): The Sun Imagens: Reprodução / The Sun e Shutterstock