A votação da PEC das precatórias, aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados, na madrugada desta quinta-feira, ainda rende polêmica. O presidente do PSD na Bahia e senado, Otto Alencar, não gostou da fala do governador Rui Costa e da nota divulgada pela bancada baiana do PT sobre o assunto. Rui se referiu aos deputados que votaram favoravelmente à PEC como ‘traíras’.

Otto, por sua vez, rebateu o governador e disse ao site Política Livre que a orientação pelo voto favorável da bancada baiana do PSD partiu de acordo com o próprio Rui. Além disso, afirmou que não aceita a pecha de traidor, nem as agressões ao partido, nem aos membros da sigla. “O PSD na Bahia só aceita aliança se for respeitado”, disse.

“Sou aliado fiel e não aceito agressão ao meu partido, nem a membros do meu partido. Quem sugeriu o parcelamento em três parcelas [dos recursos do Fundef cujo pagamento foi definido em julgamento do Supremo Tribunal Federal] foi o governador Rui Costa. O governador me autorizou a conversar com o presidente [da Câmara dos Deputados] Arthur Lira. Conversei com a bancada, com o presidente Arthur Lira e depois conversei com o governador sobre o assunto. Ontem à noite conversei com o governador e ele não me pediu que orientasse o voto contra”, declarou Otto.

Otto também classificou como “mentirosa” a nota divulgada pelos deputados petistas da Bahia. “Temos tradição de cumprir compromissos, por isso repilo a nota mentirosa dos deputados federais do PT. O PSD tem toda altivez e autonomia de não aceitar. O PSD só tem aliança quando é respeitado”, repetiu Otto Alencar. “Os compromissos que assumi com [o senador Jaques] Wagner, Rui e [o ex-presidente] Lula, eu sempre cumpri”.

 

Do sudoesteacontece