Aparentemente controlados no segundo semestre deste ano, os casos de sarna humana que vinham se alastrando por comunidades do litoral paulista estão dando sinais de retorno. Na Vila Nova Mirim, em Praia Grande, onde surgiram os primeiros casos em novembro do ano passado, moradores estão assustados. Na Vila Sônia, bairro periférico da cidade, um bebê de 2 meses precisou ser internado.

Após o caso ter sido levado a público em reportagem do UOL em maio, a prefeitura realizou algumas ações. Providenciou ligação de água potável até uma área na entrada da comunidade, agendou mutirão com atendimento de agentes das secretarias municipais, cadastrou famílias, medicou pessoas e congelou o avanço das moradias.

A doença, também conhecida como escabiose, é identificada por feridas cutâneas que causam coceira e prurido intenso. É provocada por um ácaro parasita (Sarcoptes scabiei) e se agrava quando as feridas são contaminadas por infecções secundárias, como as bacterianas.

O acompanhamento dos moradores na região ficou sob atribuição de uma agente comunitária que, segundo eles, há um bom tempo não aparece por lá. Quem tem acompanhado o drama das famílias é a empresária Patrícia Ogna Petrali, responsável pelo perfil do Instagram PG Invisível, criado para ajudar moradores da cidade.

Ela, que acompanhou o aparecimento dos primeiros casos, agora se preocupa com o ressurgimento da doença. "Várias famílias têm me procurado, não só em Nova Mirim, mas de outras comunidades e bairros também. Na Vila Sônia, acompanhei uma mãe desesperada tentando internação para o filho de 2 meses. Todos estão com muito medo. Não é uma doença fácil de enfrentar e parece que está sendo impossível de impedir".


https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2021/11/20/sarna-humana-ressurge-em-comunidades-do-litoral-de-sp-bebe-e-hospitalizado.htm