A prefeitura de Itororó, no Centro-Sul baiano, declarou situação de emergência neste sábado (25), devido às fortes chuvas que atingem a cidade desde a noite da última sexta-feira (24). Segundo o decreto municipal, a enchente provocou inundações, enxurradas e alagamentos em todo o município. 

Na manhã deste sábado, já eram mais de 200 desabrigados, de acordo com as estimativas do prefeito Paulo Carneiro Rios.

Thank you for watching

“Muita gente perdeu tudo que tinha, só não perdeu a vida. Já vi tanta gente chegar chorando para mim hoje”, lamentou o prefeito, em entrevista por telefone. 

Os desabrigados estão sendo deslocados para abrigos em colégios, no centro de convivência da cidade e em igrejas. “Muita gente, quando a chuva vai parando, fica querendo ir para casa, mas a gente está com receio porque a previsão de hoje é que seja igual ou até pior do que ontem. Estou aqui pedindo a Deus para que seja bem menos”, disse. A previsão para Itororó hoje é de que as chuvas continuem, com possibilidade de temporal à tarde, segundo o Instituto Climatempo. 

Em poucas horas, o Rio Colônia encheu e transbordou, atingindo todo o município. Em alguns bairros, como o Colônia, a água ainda passava de um metro de altura em algumas casas, na manhã deste sábado. A situação é crítica, já caíram casas. Estou com o Corpo de Bombeiros desde a madrugada socorrendo, tirando as pessoas e fazendo o que podemos”, contou o prefeito. “Moro em Itororó há 50 anos e foi a primeira vez que vi uma chuva assim”, acrescentou.   

O Corpo de Bombeiros, através da assessoria, confirmou que resgatou 35 pessoas até o momento. 

Medo
Entre os moradores, o clima é de apreensão pelas próximas horas, caso volte a chover muito. “Os moradores estão assustados porque, segundo os mais antigos, isso nunca aconteceu em Itororó. O medo fica estampado na cara de cada um, já que hoje ainda tem previsão de muita chuva”, afirmou o fisioterapeuta Ricciery Amaral, 36 anos. 

Natural de Itororó, mas radicado no Rio de Janeiro, ele havia vindo passar o Natal com a família e destacou a solidariedade entre os vizinhos. “Uns ajudando aos outros, carregando peças pessoais, documentos e sendo abrigados em escolas. Seguimos todos tristes com essa situação, além de muito medo”, completou.

por Thais Borges / Correio 24h