• Girl in a jacket
  • Recuperando-se das dívidas, Ricardo Eletro faz plano para ‘sair do fundo poço’ ~ Blog Barreiras Noticias | Oeste Baiano no Geral


    Em recuperação judicial e com lojas fechadas desde 2020, a Ricardo Eletro pretende retomar seu espaço no mercado e voltar a comercializar dos mais variados itens e de diversas marcas por meio de seu marketplace, com uma marca totalmente reformulada já no próximo mês.

    Segundo o presidente da companhia, Pedro Bianchi, a empresa chegou ao fundo do poço. “Agora estamos apostando em uma reformulação total e uma pegada mais digital, porém sem megalomania”, afirmou ao Estadão. Com o site novo, Bianchi aposta na atração de vendedores cobrando comissões menores nas vendas em comparação às suas rivais para fazer frente nesse novo momento.

    Com essa estratégia, Bianchi estima que a Máquina de Vendas volte a ter vendas brutas de R$ 120 milhões mensais até o fim do ano. O retorno das lojas físicas está previsto para 2023, começando por São Paulo e Minas Gerais.

    “Apesar de nunca termos tido lojas em São Paulo, é o mercado que mais compra do nosso e-commerce. E também estamos estudando voltar com algumas marcas, pois há muitos consumidores pedindo a volta de lojas como a Salfer e a Insinuante”, diz o presidente.

    Crise

    Com dívidas na casa dos R$ 2,5 bilhões, em 2019 a empresa entrou em recuperação extrajudicial, renegociando dívidas com credores sem envolver a Justiça. O plano não deu certo e as dívidas só aumentaram.

    Em julho de 2020, Ricardo Nunes foi preso no âmbito de uma operação de combate à sonegação fiscal e lavagem de dinheiro em Minas Gerais. O empresário, que já não tem mais ligação com a Máquina de Vendas ou com a Ricardo Eletro, é acusado de sonegar R$ 400 milhões em impostos durante cinco anos, quando ainda trabalhava com a varejista.

    A Ricardo Eletro foi mais uma das cadeias que sofreram com quedas drásticas na demanda por conta da pandemia do coronavírus. Segundo dados da Máquina de Vendas, o faturamento chegou a cair mais de 92% nos primeiros meses de 2020.

    Com isso, a empresa decidiu fechar suas 300 lojas físicas em 17 estados e demitiu cerca de 3.600 funcionários.

    Publicação em destaque

    TELECOM PROVIDER - INTERNET CAMPEÃ