• Girl in a jacket
  • Japão quer aumentar consumo de álcool entre jovens; entenda o motivo ~ Blog Barreiras Noticias | Oeste Baiano no Geral

    O governo japonês foi atingido no bolso por um problema incomum – seus jovens não estão bebendo o suficiente. Desde o início da pandemia, bares e outros estabelecimentos que vendem álcool foram duramente atingidos pelas restrições da Covid-19, fazendo com que as vendas – e as receitas de impostos sobre bebidas alcoólicas – caíssem na terceira maior economia do mundo.

    A solução do governo? Lançar um concurso para encontrar novas maneiras de incentivar os jovens a beber mais.

    A campanha “Sake Viva!”, supervisionada pela Agência Nacional de Impostos, convida os participantes a apresentarem ideias sobre como “estimular a demanda entre os jovens” por álcool por meio de novos serviços, métodos promocionais, produtos, designs e até técnicas de vendas usando inteligência artificial ou o metaverso, de acordo com o site oficial da competição.

    “O mercado doméstico de bebidas alcoólicas está encolhendo devido a mudanças demográficas, como o declínio da taxa de natalidade e o envelhecimento da população, e mudanças no estilo de vida devido ao impacto da Covid-19”, disse o site, acrescentando que a competição visa “atrair a geração mais jovem … para revitalizar a indústria”.

    O concurso inclui ideias promocionais para todos os tipos de álcool japonês, com inscrições abertas até 9 de setembro. Os finalistas serão convidados para uma consulta com especialistas em outubro, antes de um torneio final em novembro em Tóquio. O vencedor receberá apoio para que seu plano seja comercializado, de acordo com a Receita Federal.

    Mas nem todos estão a bordo, com a concorrência e a agência fiscal recebendo críticas de algumas pessoas online.

    “Você está brincando comigo?”, escreveu um usuário do Twitter. “Ficar longe do álcool é uma coisa boa!”.

    Outros apontaram que parecia inapropriado que uma agência do governo incentivasse os jovens a beber, e parecia que a campanha não havia considerado riscos à saúde ou sensibilidade em relação às pessoas que lidam com o alcoolismo.

    O Ministério da Saúde do Japão alertou no passado sobre os perigos do consumo excessivo de álcool. Em um post em seu site no ano passado, chamou o consumo excessivo de álcool um “grande problema social” que persistiu apesar de uma recente desaceleração no consumo. E instou as pessoas com hábitos de consumo pouco saudáveis ​​a “reconsiderar” sua relação com o álcool.

    Um porta-voz do ministério se recusou a comentar sobre a concorrência da agência fiscal quando contatado pela CNN.

    Vendas em declínio

    O Japão, juntamente com vários outros países da Ásia, manteve fortes restrições durante grande parte da pandemia, fechando espaços públicos e reduzindo o horário de funcionamento dos restaurantes.

    Izakayas – versões japonesas de um pub ou taverna – foram particularmente atingidos, com os últimos números disponíveis mostrando as vendas reduzidas pela metade de 2019 a 2020, de acordo com o Ministério da Economia, Comércio e Indústria.

    Com menos oportunidades para beber em público, a taxa de “consumo doméstico” – beber em casa – “aumentou significativamente”, disse o ministério.

    Mas os jovens adultos se destacaram como exceção. Cerca de 30% das pessoas entre 40 e 60 anos bebem regularmente, o que significa três dias ou mais por semana, disse o ministério – em comparação com apenas 7,8% das pessoas na faixa dos 20 anos.

    “Dessa forma, acredita-se que o declínio nos hábitos de consumo ano a ano esteja afetando o encolhimento do mercado doméstico”, disse o ministério.

    Em um relatório de 2021, a agência fiscal disse que os impostos sobre bebidas alcoólicas eram uma importante fonte de receita para o governo há séculos, mas diminuíram nas últimas décadas. O Japão recebeu 1,1 trilhão de ienes (US$ 8,1 bilhões) em impostos sobre o álcool em 2021 – 1,7% da receita tributária total, em comparação com 3% em 2011 e 5% em 1980.

    O Japão suspendeu seu estado de emergência em outubro de 2021, permitindo que os restaurantes vendessem álcool novamente e permanecessem abertos até mais tarde – mas as restrições em algumas partes do país permaneceram em vigor até março deste ano.

    A recuperação do país desde então tem sido mais lenta do que o esperado, prejudicada pelo aumento da inflação, o impacto econômico da guerra na Ucrânia e os recentes surtos de casos de Covid-19 que levaram a restrições prolongadas. (CNN Brasil).

    Publicação em destaque

    TELECOM PROVIDER - INTERNET CAMPEÃ