• Girl in a jacket
  • “Eu tenho porte de arma”, diz candidata do PL a Rui Costa ~ Blog Barreiras Noticias | Oeste Baiano no Geral


     Valdete Miranda (PL-BA) disse ter porte arma em vídeo direcionado ao governador baiano Rui Costa (PT) Poder360 12.set.2022 (segunda-feira) - 23h22

    Candidata a deputada estadual no município de Cristópolis, Valdete Miranda (PL-BA) publicou vídeo em suas redes sociais direcionado ao governador da Bahia, Rui Costa (PT) no domingo (11.set.2022).
    Nas imagens, diz não ter medo do petista, lembra o fato de ter “porte de arma” e manda ele não aparecer mais na cidade.

    Segundo a bolsonarista, a equipe do petista teria atrapalhado um “adesivaço” de sua campanha durante um comício. Ao Poder360, a equipe de Rui Costa informou que o governador só acompanhava o ato de campanha do candidato ao governo de Estado, Jerônimo Rodrigues (PT), e que “nada de anormal aconteceu”.

    “Não existiu absolutamente nada de anormal. Pelo contrário, todos os trâmites da campanha foram seguidos. Não é o governador que organiza isso, é a campanha. Nada de ocupação de espaço, nem deste tipo. Agora, a gente lamenta o ato de uma pessoa que está na vida pública falar em porte de arma, falar em ameaçar. É lamentável”, disse a assessoria do governador.

    Assista (1min12s):

    “Seu governador, eu sou mulher, não tenho medo do senhor. E fique sabendo, não estou te ameaçando, estou te afirmando que eu tenho arma e tenho porte de arma”, diz a candidata no início do vídeo.

    “Vem de novo, governador, na porta do meu comitê. E não é só o senhor, não. Tem esse tal de Jerônimo também. Vão procurar o que fazer, me respeita. Sai fora do meu comitê. Não aparece nunca mais aqui, porra”, acrescentou.

    Ao Poder360, Valdete afirmou que as concentrações dos atos políticos costumam ser feitas em frente a prefeitura da cidade. Entretanto, um trio elétrico com apoiadores dos petistas se reuniu em frente ao seu comitê. Lá, teriam soltado fogos de artifício.

    Eis a íntegra da nota da candidata Valdete Miranda divulgada em 12.set.2022 às 22h37:

    “Ontem, 11 de setembro, iniciamos normalmente os trabalhos no Comitê Central de Campanha, localizado à Avenida Coronel Aurora, Centro – Cristópolis (BA), na beira da BR 242 (sentido Barreiras/Salvador), e também no propósito de realizarmos um adesivaço. Na ocasião, veículos estacionavam em frente ao Comitê e a equipe de campanha realizava a respectiva adesivação.

    “Causou-me estranheza o fato de que um trio elétrico do candidato a governador, Jerônimo, ter transitado em frente à casa de meu pai, localizada na mesma Avenida, situação absolutamente não corriqueira, mesmo em época de campanha eleitoral, considerando que o referido tráfego ocorre usualmente na BR 242. Por volta de 9h, o trio elétrico se dirigiu ao Comitê e parou exatamente na frente do Comitê. Nesse momento, o som foi ligado e começou foguetório, denotando que exatamente na frente do meu Comitê se estabeleceria a concentração para aguardar o candidato, juntamente com o atual governador, Rui Costa, e o prefeito da cidade, Gilson Nascimento.

    “Fiquei indignada com a situação, pois historicamente, em meu município, tais concentrações acontecem exclusivamente em frente à prefeitura, localizada diametralmente oposta na outra entrada da cidade (sentido Salvador/Barreiras). Veículos, com apoiadores do referido candidato, começaram a chegar e bloquearam o acesso de outros automóveis que se dirigiam ao estacionamento do meu Comitê para a aposição de adesivos. Ou seja, tive de suspender as atividades de adesivação.

    “Somente aí percebi que o fato inusitado dessa concentração atípica era o de atingir minha candidatura, ao me intimidar sem qualquer desfaçatez. Entendo que a empreitada do candidato a governador colocou em risco vidas, pois, além de afrontar meus apoiadores, também posicionou veículos em uma BR, em frente ao meu Comitê, sabidamente de intenso fluxo de caminhões e carretas, local totalmente inapropriado para a aludida concentração.
    Procurei manter meus apoiadores distantes da cena, conclamando inclusive que entrassem no Comitê, de forma a evitar qualquer tipo de violência física partida daqueles que estavam na equipe do candidato ao governo, Jerônimo, e também com o governador atual, Rui Costa, tendo chegado à concentração, a partir das 10h15, e recepcionados pelo prefeito da cidade, com intensificação de foguetório.

    “A atitude, tanto do governador e seu candidato, quanto do prefeito da cidade, foi ultrajante para a minha pessoa, ao interromper de forma deslavada os meus trabalhos como candidata, de adesivaço e entrega de santinhos. Como mulher, senti na pele e na alma violência política. Aí pergunto: caso eu fosse homem, o governador teria agido dessa forma? Tudo o que aconteceu é perfeitamente passível de enquadramento como crime, considerando infração à Lei n. 14.192/2021, que estabelece normas para prevenir, reprimir e combater a violência política contra a mulher.

    “Entendo que a situação também configura abuso de poder econômico e político por parte do candidato Jerônimo, ao viajar por toda a Bahia juntamente com o governador, cujo subsídio é pago com o dinheiro público, o qual deveria estar administrando nosso estado, além de causar concorrência desleal em relação aos outros candidatos que postulam o cargo de governador.”

    o Poder360 integra o

    Publicação em destaque

    TELECOM PROVIDER - INTERNET CAMPEÃ