• Girl in a jacket
  • Abstenção cresceu entre 1º e 2º turno em todas as eleições presidenciais desde 1989 ~ Blog Barreiras Noticias | Oeste Baiano no Geral

     

    Índice cresceu entre 1º e 2º turno em todos pleitos desde redemocratização; insatisfação de eleitor com opções disponíveis é apontada como um dos motivos, mas “eleições quentes” podem frear aumento, diz especialista

    Desde que o país voltou a realizar eleições diretas, em 1989, quando houve segundo turno, menos eleitores compareceram às urnas em relação ao primeiro turno. Em 2018, 20,32% dos 147 milhões de eleitores deixaram de ir às urnas no primeiro turno. No segundo, 21,29% não compareceram – um crescimento de 4,77%. A taxa de abstenção foi de 20,95%.

    De acordo com o cientista político da FGV Cláudio Couto, o aumento da abstenção entre os turnos é justificado pela insatisfação com os candidatos disponíveis.

    “A tendência sempre é da abstenção crescer do primeiro para o segundo turno, pois parte dos eleitores, insatisfeitos com as opções disponíveis, desiste de ir votar”, afirma Couto. Segundo ele, nos estados onde não haverá segundo turno da eleição estadual a abstenção pode ser ainda maior.

    Os índices de abstenção também cresceram ao longo dos anos. Em 1989, quando o país registrou o menor número de abstenções, 11,93% dos eleitores não compareceram no primeiro turno e 14,39% no segundo.

    Cláudio Couto, no entanto, pontua que, diante da mobilização dos eleitores no atual pleito, é difícil “cravar” que a abstenção, de fato, irá aumentar. “Esta campanha presidencial está muito quente e mobilizando demais as pessoas, talvez o aumento da abstenção seja um pouco menor este ano. Não dá para cravar”.

    Em 1998, quando Fernando Henrique Cardoso (PSDB) foi eleito ainda no primeiro turno, 21,49% se abstiveram – recorde em comparação com os primeiros turnos dos outros pleitos. O índice se manteve abaixo dos 20% no primeiro turno até 2018.

    No segundo turno, 2010 teve a maior abstenção, com 21,50% dos eleitores deixando de votar.

    Índice de abstenção nos últimos pleitos

    2022

    • Primeiro turno: 20,95%

    2018

    • Primeiro turno: 20,32%
    • Segundo turno: 21,29%

    2014

    • Primeiro turno: 19,39%
    • Segundo turno: 21,10%.

    2010

    • Primeiro turno: 18,12%
    • Segundo turno: 21,50%

    2006

    • Primeiro turno: 16,75%
    • Segundo turno: 18,99%

    2002

    • Primeiro turno: 17,74%
    • Segundo turno: 20,47%

    1998

    • Primeiro turno: 21,49%

    1994

    • Primeiro turno: 17,77%

    1989

    • Primeiro turno: 11,93%
    • Segundo turno: 14,39% 

    • (CNN Brasil).

    Publicação em destaque

    TELECOM PROVIDER - INTERNET CAMPEÃ