• Girl in a jacket
  • Índice de Clima Econômico do Brasil avança 30 pontos e registra o melhor resultado desde 2021 ~ Blog Barreiras Noticias | Oeste Baiano no Geral

    O Indicador de Clima Econômico (ICE) da América Latina subiu 11,8 pontos na passagem do terceiro trimestre para o quarto trimestre de 2022, para o patamar 66,5 pontos, permanecendo assim na zona desfavorável (abaixo de 100 pontos), apontou o levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV).

    “O ICE tem se mantido em nível baixo desde o terceiro trimestre de 2013, à exceção do quarto trimestre de 2017, primeiro trimestre de 2018 e terceiro trimestre de 2021. Em todos esses trimestres o indicador ficou próximo de 100, que marca o limite entre a zona favorável e a desfavorável”, apontou a FGV, em nota.

    A melhora do ICE foi puxada pelo Indicador da Situação Atual (ISA) que avançou 22,7 pontos no quarto trimestre de 2022, para 67,0 pontos. Já o Indicador de Expectativas (IE) subiu 0,6 ponto, para 66,1 pontos.

    “Os dois indicadores estão agora muito próximos e se mantêm em zona desfavorável do ciclo. Esta é também a primeira vez desde 2012 que o ISA supera (ainda que ligeiramente) o IE”, frisou a FGV.

    O desempenho do Clima Econômico no Brasil foi o destaque, com um avanço de 30,0 pontos na passagem do terceiro para o quarto trimestre, para o patamar de 84,5 pontos.

    O Indicador de Situação Atual do País subiu 49,4 pontos, para 92,3 pontos, enquanto o Indicador de Expectativas teve uma elevação de 10,2 pontos, para 76,9 pontos. A despeito da melhora, todos os indicadores permanecem na zona desfavorável.

    Cinco países melhoram a sua posição no ICE, mas apenas Paraguai (114,7 pontos) e Uruguai (108,2 pontos) estão na zona favorável. Seis países melhoraram a avaliação sobre a situação atual, mas somente o Uruguai (116,7 pontos) e a Colômbia (115,4 pontos) estão na zona favorável.

    Quatro países registraram alta nas expectativas, mas apenas o Paraguai (171,4 pontos) está na zona favorável, enquanto o Uruguai (100,0 pontos) está na zona neutra.

    Entraves no Brasil

    Os especialistas ouvidos pela pesquisa ranquearam como maiores entraves para o crescimento econômico no Brasil a falta de inovação; infraestrutura inadequada; falta de competitividade internacional; aumento na desigualdade de renda; e, falta de mão de obra qualificada.

    No entanto, as opções mais citadas, mencionadas por 46,2% dos especialistas em ambos os casos, foram a falta de confiança na política econômica e a instabilidade política.

    Em segundo lugar no ranking, ambos com 38,5% de citações, foram mencionados a infraestrutura inadequada e o aumento na desigualdade de renda. (CNN Brasil).

    Publicação em destaque

    TELECOM PROVIDER - INTERNET CAMPEÃ