• Girl in a jacket
  • Repórter da Record é agredido por bolsonaristas: 'Gente louca e agressiva' ~ Blog Barreiras Noticias | Oeste Baiano no Geral

    Repórter da Record TV Rio Preto, Yuri Macri foi agredido por manifestantes bolsonaristas durante um bloqueio na rodovia Washington Luís, em Mirassol, no interior de São Paulo. Na quarta (2), o profissional acabou cercado pelosapoiadores de Jair Bolsonaro (PL) quando estava ao vivo na Record News para dar as atualizações de um acidente com um carro, que atropelou 17 pessoas no protesto. "Nunca vi tanta gente louca e agressiva na minha vida", desabafou e agressiva na minha vida", desabafou ele depois.

    O jornalista não conseguiu dar a notícia porque foi interrompido por gritos dos manifestantes e precisou chamar o âncora Rafael Algarte. "Vou precisar voltar com você aí, Rafa, porque o pessoal aqui acaba atrapalhando um pouco o nosso trabalho", lamentou ele.

    A câmera mostrou um grupo de pessoas cercando Macri enquanto levantavam as mãos e protestavam contra a transmissão da imprensa. Algarte se revoltou com a atitude dos bolsonaristas."As pessoas precisam respeitar o que está acontecendo lá, é o trabalho de um repórter", afirmou.

    "A imprensa está lá para mostrar exatamente o que acontece, e quem está manifestando não vai atacar profissional, trabalhador. É impossível mostrar a situação lá neste momento. Não é assim, as coisas não são desta forma. Não é atacando a imprensa, repórter ou trabalhador, que vai resolver a situação. Tem que ser respeitado", criticou o âncora.

    O repórter conseguiu voltar depois ao vivo para dar novas informações, mas relatou em seus Stories do Instagram que, durante o tempo em que não ficou no ar, levou chutes, pontapés e teve a roupa molhada com água jogada pelos golpistas.

    "Na sequência disso, juntaram umas 20 ou 30 pessoas. Eles tentavam tapar a lente da câmera. Ali, foi como se estivéssemos no meio de uma roda e todo mundo chutando e dando soco.Pensei 'se eu cair aqui, eu morro'. Foi uma situação muito difícil", desabafou Macri.

    No momento em que as pessoas partiram para cima, ele perdeu o microfone, recuperado depois por um manifestante que o ajudou a se afastar da multidão e pediu desculpas. "Entrei falando por telefone o que a gente tinha vivido, mas me vi perto da morte, mesmo. Nunca vi tanta gente louca e agressiva na minha vida", completou.

    Em nota, a Abratel (Associação Brasileira de Rádio e Televisão), repudiou as agressões sofridas por Macri e outros jornalistas durante as manifestações a favor de Jair Bolsonaro (PL). Veja abaixo a nota enviada à Record:

    A Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abratel) repudia as agressões sofridas por equipes de reportagens durante a cobertura das manifestações que perduram desde a segunda-feira (31), sendo acentuadas nesta quarta (2). As agressões físicas, lesão corporal grave à repórteres e impedimento do exercício do trabalho jornalístico ferem diretamente o direito à informação, assegurado pela Constituição Federal.  (Notícias da TV UOL)

    Publicação em destaque

    TELECOM PROVIDER - INTERNET CAMPEÃ