• Girl in a jacket
  • Girl in a jacket
  • PF deve incluir na investigação a fala de Bolsonaro em ato em SP ~ Blog Barreiras Noticias | Juninho Sem Maquiagem

    Para delegados do caso, a declaração sobre “minuta do golpe” confirma que o ex-presidente tinha conhecimento sobre o documento 

    A PF (Polícia Federal) deve incluir no inquérito, que investiga uma suposta organização de golpe de Estado, a declaração dada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) na avenida Paulista, durante ato com apoiadores no domingo (25.fev.2024). Em seu discurso, Bolsonaro se defendeu das acusações sobre a suposta tentativa de golpe de Estado.

    Para delegados do caso, ao dar a declaração, o ex-presidente confirma que tinha conhecimento sobre a existência da “minuta do golpe”, encontrada na casa do ex-ministro da Justiça Anderson Torres, que decretava Estado de Defesa na sede do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) nas eleições de 2022.

    Leia a íntegra da declaração de Bolsonaro sobre a minuta: “Agora, o golpe é porque tem uma minuta de um decreto de estado de defesa. Golpe usando a Constituição? Tenham santa paciência. Golpe usando a Constituição. Deixo claro que estado de sítio começa com o presidente da República convocando os conselhos da República e da Defesa. Isso foi feito? Não. Apesar de não ser golpe o estado de sítio, não foi convocado ninguém dos conselhos da República e da Defesa para se tramar ou para se botar no papel a proposta do decreto do estado de sítio”.

    Em 8 de fevereiro, Bolsonaro foi alvo da operação da PF Tempus Veritatis e teve de entregar seu passaporte. A ação mirou também outros aliados do ex-presidente, suspeitos de planejarem golpe de Estado para mantê-lo na Presidência. O ex-presidente foi à PF para prestar esclarecimentos sobre o caso à agentes da corporação –mas se manteve em silêncio. Antes, tentou adiar seu depoimento 3 vezes. “As situações fática e jurídica não foram alteradas, permanecendo a obrigatoriedade de comparecimento do investigado perante a Polícia Federal”, declarou Moraes na última decisão. No domingo (25.fev), Bolsonaro realizou o 1º ato depois da deflagração da Tempus Veritatis. Ele não mencionou o ministro Alexandre Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal). No 7 de Setembro de 2021, na avenida Paulista, o então presidente chamou o magistrado de “canalha”. (Poder 360).

    Publicação em destaque

    TELECOM PROVIDER - INTERNET CAMPEÃ