• Girl in a jacket
  • Girl in a jacket
  • Pirâmides foram encontradas na Antártida e intrigam cientistas ~ Blog Barreiras Noticias | Juninho Sem Maquiagem

     As misteriosas pirâmides da Antártida que deixaram os cientistas em dúvida: o que sabemos sobre os Nunataks?

    Embora a sua forma possa fazer lembrar as pirâmides do Egito, e sejam objeto de inúmeras teorias, estas estruturas são obras-primas da natureza, pacientemente esculpidas pelo tempo.

    No meio da imensidão branca e ondulante do continente antártico, destaca-se uma espécie de pirâmide, com os seus quatro lados perfeitos e ângulos tão precisos que parecem ter sido construídos de acordo com cálculos matemáticos.

    A ideia de que os egípcios poderiam ter chegado à Antártica e conquistado a terra gelada é uma dessas hipóteses que captam a imaginação dos apaixonados pela História. No entanto, a descoberta do que parecia ser uma pirâmide de neve no meio do continente antártico desencadeou uma série de teorias e conspirações.

    Muitos afirmaram na Internet que estas pirâmides podem ter ligações aos Illuminati, enquanto outros propuseram que a Antártida pode ter sido coberta por florestas tropicais durante os tempos pré-históricos, tornando viáveis tais construções por civilizações antigas.

    Desde vida extraterrestre a civilizações extintas, passando por uma Antártida quente antes do dilúvio universal, surgiram inúmeras explicações para a questão central: o que é exatamente esta "pirâmide" localizada na cordilheira Ellsworth da Antártica?

    A explicação mais simples é geralmente a correta: não se trata de uma pirâmide egípcia nem de uma descoberta recente. Em 1935, Lincoln Ellsworth descobriu uma cadeia de montanhas em um voo transantártico da ilha de Dundee para a plataforma de gelo de Ross.

    Essa cadeia montanhosa é a mais alta da Antártida e foi obviamente batizada de Montanhas Ellsworth. A cordilheira tem quase 400 km de comprimento e 50 km de largura e situa-se no território antártico do Chile. A temperatura média na zona é de cerca de -30°C, pelo que só pode ser visitada durante um curto período do ano, de novembro a janeiro.

    Mas o que realmente as tornou populares foi a forma pontiaguda de alguns dos seus picos. Em 2016, graças à divulgação de imagens de satélite que mostram um aglomerado de cones piramidais no sul das montanhas, a sua fama cresceu exponencialmente.

    Para os curiosos, pode consultar as coordenadas 79°58 '39.25''S 81°57' 32.21''W no Google Maps.
     

    O que mais chama a atenção são as estruturas que sobressaem do gelo, como dentes negros salpicados de neve, com arestas vivas, faces triangulares inclinadas e topos pontiagudos: parecem sugerir nada mais do que uma cópia da Grande Pirâmide de Gizé do Egito transportada para os desertos polares.

    Os Nunatak, montanhas no meio do gelo

    Esta descoberta foi seguida de uma enxurrada de títulos que afirmavam "pirâmides descobertas na Antártica", o que provocou imediatamente especulação. Como foram criadas, qual a sua idade, por que razão foram mantidas em segredo até agora?

    Mas os geólogos, esses especialistas obcecados por rochas e minerais, trouxeram paz de espírito. As "pirâmides", dizem estes especialistas, são simplesmente picos de montanhas que foram escovados e moldados através de processos geomórficos pelo gelo e pelo clima extremo daquele continente.

    As montanhas que sobressaem do gelo, ou glaciares, chamam-se nunatak. Essas formações desaparecem frequentemente sob o manto branco durante décadas, outras só são descobertas quando o gelo derrete. São frequentemente utilizadas como pontos de referência no meio de uma grande extensão de gelo.

    As Nunataks são frequentemente os locais onde as expedições são temporariamente baseadas ou onde são construídas bases permanentes; por exemplo, a base antártica argentina Belgrano II está localizada na Nunatak Bertrab.

    A forma piramidal de algumas delas é o resultado da convergência de glaciares e estruturas semelhantes podem ser encontradas em vários locais do mundo, o que afasta qualquer ideia extraordinária.

    "As formas de pirâmide não são impossíveis: muitos picos parecem pirâmides parciais, mas só têm uma ou duas faces, raramente quatro", disse o investigador norte-americano Eric Rignot ao LiveScience quando as imagens começaram a circular.

    A combinação de neve, gelo e vento na Antártica deu forma a esta estrutura peculiar, criando a ilusão de uma pirâmide à primeira vista.

    Em particular, a formação piramidal de certas montanhas, como a mencionada acima, deve-se provavelmente à erosão causada por ciclos de congelamento e descongelamento.

    Durante o dia, a neve ou a água preenche as fendas da montanha e, quando as temperaturas descem à noite, a água congela e expande-se, alargando as fendas. Este processo repete-se muitas vezes, criando fissuras maiores que, com o tempo, podem levar à fratura de secções inteiras de rocha, resultando em paredes planas, semelhantes a pirâmides. (Meteored Tempo.com)



    Publicação em destaque

    TELECOM PROVIDER - INTERNET CAMPEÃ