• Girl in a jacket
  • Girl in a jacket
  • Um transplante de órgão pode mudar a personalidade de alguém? ~ Blog Barreiras Noticias | Juninho Sem Maquiagem


     Mudanças na personalidade após um transplante de coração têm sido observadas praticamente desde o início dos transplantes. Em um caso, uma pessoa que odiava música clássica desenvolveu uma paixão pelo gênero após receber o coração de um músico. O receptor morreu mais tarde segurando um estojo de violino.

    Em outro caso, um homem de 45 anos comentou como, desde que recebeu o coração de um menino de 17 anos, ele adora colocar fones de ouvido e ouvir música alta – algo que nunca havia feito antes do transplante.

    Um estudo recente sugere que os receptores de transplante de coração podem não ser os únicos a sofrer mudanças de personalidade. Essas mudanças podem ocorrer após o transplante de qualquer órgão.

    O que poderia explicar isso? Uma sugestão poderia ser que se trata de um efeito placebo, em que a enorme alegria de receber um novo sopro de vida dá à pessoa uma disposição mais ensolarada. Outros receptores de transplante sofrem de culpa e crises de depressão e outros problemas psicológicos que também podem ser vistos como mudanças de personalidade.

    Entretanto, há algumas evidências que sugerem que essas mudanças de personalidade não são apenas psicológicas. A biologia também pode ter um papel importante.

    As células do órgão transplantado desempenharão a função esperada – as células do coração baterão, as células dos rins filtrarão e as células do fígado metabolizarão – mas elas também desempenham um papel em outras partes do corpo. Muitos órgãos e suas células liberam hormônios ou moléculas sinalizadoras que têm um efeito local e em outras partes do corpo.

    O coração parece estar mais comumente associado a mudanças de personalidade. As câmaras liberam hormônios peptídicos, incluindo “peptídeo natriurético atrial” e “peptídeo natriurético cerebral”, que ajudam a regular o equilíbrio de fluidos no corpo afetando os rins.

    Eles também desempenham um papel no equilíbrio eletrolítico e inibem a atividade da parte de nosso sistema nervoso responsável pela resposta de luta ou fuga. As células responsáveis por isso estão no hipotálamo, uma parte do cérebro que desempenha um papel em tudo, desde a homeostase (equilíbrio dos sistemas biológicos) até o humor.

    Portanto, o órgão do doador, que pode ter um nível básico de hormônios e produção de peptídeos diferente do órgão original, pode alterar o humor e a personalidade do receptor por meio das substâncias que libera.

    Foi demonstrado que os níveis de peptídeo natriurético são mais altos após o transplante – e nunca voltam ao normal. Embora parte da elevação seja provavelmente uma resposta ao trauma da cirurgia, ela pode não ser responsável por tudo.

    Memórias armazenadas fora do cérebro

    O corpo armazena memórias no cérebro. Nós as acessamos quando pensamos ou elas podem ser acionadas pela visão ou pelo olfato. Mas as memórias são basicamente processos neuroquímicos em que os nervos transmitem impulsos uns aos outros e trocam substâncias químicas especializadas (neurotransmissores) na interface entre eles.

    Embora na cirurgia de transplante muitos dos nervos que controlam a função do órgão sejam cortados e não possam ser recolocados, isso não significa que os nervos dentro do órgão não continuem funcionando. De fato, há evidências de que eles podem ser parcialmente restaurados um ano após a cirurgia.

    Essas ações e interações neuroquímicas podem se alimentar do sistema nervoso do receptor, desencadeando uma resposta fisiológica que afeta a personalidade do receptor de acordo com as memórias do doador.

    Sabemos que as células do doador são encontradas circulando no corpo do receptor e o DNA do doador é visto no corpo do receptor dois anos após o transplante. Isso novamente levanta a questão de para onde o DNA vai e quais ações ele pode ter.

    Uma coisa que ele faz é estimular respostas imunológicas. Essas respostas imunológicas podem ser suficientes para desencadear mudanças de personalidade, pois sabe-se que a inflamação de baixo nível e de longo prazo é capaz de alterar traços de personalidade, como extroversão e consciência.

    Seja qual for o mecanismo, ou a combinação de mecanismos, responsável, essa área de pesquisa merece mais investigação para que os receptores possam entender as mudanças físicas e psicológicas que podem ocorrer após a cirurgia.


    *Artigo escrito pelo professor Adam Taylor, diretor do centro clínico de anatomia da Universidade de Lancaster, para o portal de divulgação científica The Conversation.

    Publicação em destaque

    TELECOM PROVIDER - INTERNET CAMPEÃ