Seis em cada dez empresas abertas na Bahia fecharam em menos de cinco anos, aponta IBGE

 

Um estudo divulgado nesta quinta-feira (22) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que apenas quatro de cada dez empresas abertas na Bahia conseguiram "sobreviver" por mais de cinco anos. No período de dez anos, a média caiu para apenas duas que conseguiram se manter.


De acordo com o levantamento que analisou a Demografia das Empresas e Estatísticas de Empreendedorismo em 2018, das 31.747 empresas que começaram a funcionar em 2008, na Bahia, 21,7% encerraram as atividades antes de completar um ano; 57,1% fecharam as portas antes de cinco anos (2013); e só 21,7% ainda estavam em atividade em 2018.


Os percentuais baianos são menores que os verificados no Brasil e no Nordeste como um todo. O estado tem a 8ª menor taxa de sobrevivência tanto no 1º ano quanto no 5º e no 10º ano de funcionamento.


Abertura de empresas


Além de fecharem as portas, a quantidade de empresas começando a funcionar no estado também demonstrou queda. Em 2018, o número de unidades que começaram a funcionar ou reabriram no estado (35.7178) foi o menor dos últimos dez anos, ficando 3,7% abaixo do registrado em 2017 (37.072 aberturas de empresas).


Assim, a taxa de entrada em atividade de unidades locais empresariais na Bahia foi de 16,3% em 2018, ligeiramente menor que a de 2017 (16,4%). Enquanto isso, a taxa de mortalidade empresarial no estado subiu para 19,4% em 2018 (frente a 16,2% em 2017), com 42.435 unidade locais fechando as portas.


Dentre as atividades econômicas, o segmento de saúde humana e serviços sociais teve a maior taxa de natalidade, no estado, em 2018: 18,2%, o que representou 2.598 empresas desse segmento que nasceram em 2018.


Crescimento por porte


Apesar da queda no surgimento de empresas, de acordo com o IBGE, a Bahia teve um crescimento recorde no número de empresas de alto crescimento.


Empresas de alto crescimento, segundo o estudo, são aquelas que mostram um aumento médio do número de funcionários assalariados. Ou seja, são empresas que crescem em porte.


Em um ano, o total de unidades locais de empresas de alto crescimento Bahia subiu 17,6%, passando de 1.980 para 2.328, o que representou mais 348 unidades locais dessa categoria.


Foi o maior incremento, tanto em termos percentuais quanto absolutos, desde o início da série histórica da investigação sobre empreendedorismo, em 2008.


Brasil


Dentre as 612.954 unidades locais de empresas privadas que nasceram no Brasil em 2008, 18,5% (113.517) morreram antes de completar um ano (81,5% sobreviveram); pouco mais da metade (52,5% ou 321.844) morreu antes de completar cinco anos (47,5% sobreviveram) e 3 em cada 4 morreram antes de fazer uma década (74,7% ou 458.029, ou seja 25,3% sobreviveram).


O estado de Santa Catarina foi o que teve as maiores taxas de sobrevivência empresarial, chegando a 52,8% em cinco anos de funcionamento e a 32,1% em dez anos de atividade.


Já os estados de Roraima e Amazonas, tiveram as menores taxas. Em até quatro anos de funcionamento mais empresas em Roraima fecharam as portas. A partir dos cinco anos, mais fecharam no estado do Amazonas.


Barreiras Notícias  /  G1

Seis em cada dez empresas abertas na Bahia fecharam em menos de cinco anos, aponta IBGE Seis em cada dez empresas abertas na Bahia fecharam em menos de cinco anos, aponta IBGE Reviewed by Jbarreiras on 06:25 Rating: 5

Sem comentários

Postagem em destaque

PRIME TELECOM | FIBRA ÓPTICA EM BARREIRAS