html image example
Epilepsia: conheça os gatilhos, sinais de alerta e sintomas ~ Blog Barreiras Noticias | Oeste Baiano no Geral

 

A epilepsia não é contagiosa e pessoas com epilepsia não são “loucos”.

A palavra “epilepsia” é derivado de uma palavra grega que significa “possuir, apreender ou reter.” Mudanças na forma como o cérebro processa os sinais elétricos podem causar resultado no funcionamento anormal. Em pessoas que têm epilepsia, cerebral cortical neurônios misfire e resultar em convulsões. Isto é semelhante a uma debater eléctrica.

A apreensão impede o cérebro de:

Interpretação e processamento de sinais sensoriais recebidos (como visual, somatossensorial e auditivo da informação).

Controlando músculos. É por isso que as pessoas com epilepsia podem cair e se contorcer.

Tipos de epilepsia

Existem muitos tipos de epilepsia. Cada tipo de epilepsia tem diferentes efeitos comportamentais e é tratado com diferentes métodos. Em alguns casos, as pessoas sabem que estão prestes a ter um ataque, porque eles ver ou ouvir algo, ou sentir tonturas, náuseas, ou “estranho”. Isso é chamado de aura. Uma aura pode atuar como um “sistema de alerta precoce” dizer a uma pessoa que a apreensão está prestes a acontecer. A pessoa pode, portanto, minimizar uma possível lesão tomando precauções, como sentar-se.

1. Convulsões generalizadas – incontrolável descarga de neurônios em ambos os lados do cérebro. Este é o tipo mais comum de epilepsia. A apreensão começa em uma área do cérebro e se espalha em todo o cérebro. Estas crises produzir contrações musculares, convulsões e perda de consciência. As pessoas com este tipo de epilepsia não me lembro de ter uma convulsão. 

Existem vários tipos de crises generalizadas:

Tônico-clônicas apreensão (“grande mal”) – Este ataque ocorre quando há uma descarga maciça de neurônios em ambos os hemisférios cerebrais. O corpo torna-se rígida e também há movimentos bruscos do corpo. “Tônico-clônicas” significa “rigidez-violentos”. “Grande mal” significa “grande mal”.

Ausência (“pequeno mal”) Apreensão – Esta apreensão é nonconvulsive. No entanto, uma pessoa pode tornar-se inconsciente de seu entorno e pode olhar fora no espaço ou congelamento. Esta apreensão dura apenas 5-30 segundos.

Apreensão Myoclonic – Esta apreensão envolve o córtex motor e provoca espasmos ou espasmos de certas partes do corpo.

Apreensão Atônico – Este convulsão é caracterizada pela perda de tônus muscular e leva uma pessoa a cair.

Estado de mal epiléptico – Este ataque é caracterizado por freqüentes crises de longa duração sem recuperar a consciência entre os ataques. Esta condição requer atenção médica imediata.

2. Crises parciais – Este tipo de convulsão é caracterizada por uma atividade eléctrica anormal envolvendo apenas uma pequena parte do cérebro. Às vezes, uma crise parcial pode se espalhar para todo o cérebro.

Dois tipos de crises parciais são:

Crises parciais simples (também chamado de “Jacksonian” ou “convulsões focais”) – convulsões de curta duração, sem perda de consciência. As pessoas com esses tipos de ataques, muitas vezes ver, ouvir ou sentir um cheiro estranho. Além disso, apenas uma parte do corpo pode idiota.

Complexas (psicomotoras) crises parciais – A apreensão com a mudança, não uma perda, na consciência. As pessoas podem ouvir ou ver coisas ou memórias podem ressurgir. Também podem ocorrer sentimentos de déjà vu.

Causas

Muitos (50-70%) dos casos de epilepsia não tem causa conhecida.

Para os restantes casos, existem muitos outros eventos que podem causar crises epilépticas:

Ferimentos na cabeça, como um acidente de carro ou uma queda.

Tumor cerebral

Golpe

Arteriosclerose (acúmulo de placas de gordura nas artérias)

Lesão cerebral antes do nascimento causada por infecção ou falta de oxigênio para o cérebro

Infecção, como a meningite ou encefalite

Os danos cerebrais resultantes destes eventos pode causar um “cicatriz” no cérebro. Este é o lugar onde um ataque epiléptico começa. Neste momento, não se sabe por que a cicatriz começa uma convulsão. Pode haver uma ligação genética para alguns tipos de epilepsia, mas isso geralmente não é o caso.

Às vezes, a apreensão será iniciado (“gatilho”) por: 

         Estresse

Falta de sono

Luzes ou sons intermitentes (como a partir de um jogode vídeo ou TV)

Baixo nível de açúcar no sangue

Diagnóstico

Um médico vai querer descobrir várias coisas antes de um diagnóstico da epilepsia é feito.

O médico pode querer saber as respostas para as seguintes perguntas:

Quantas vezes as apreensões ocorrem?

Quando foi a primeira crise?

Havia um ferimento na cabeça?

Quais são as convulsões como?

Estavam lá todas as sensações incomuns (cheiros, sons, luzes)?

Existe alguma memória das crises?

Um eletroencefalograma (EEG) é frequentemente usado para ajudar no diagnóstico de epilepsia. O EEG de pessoas com epilepsia, muitas vezes mostra grandes picos. Às vezes, o EEG deve ser registrado para um dia inteiro no hospital ou em casa, porque um pequeno teste nem sempre pegar a atividade anormal. No entanto, o EEG nem sempre funciona, pois cerca de 5% de pessoas sem epilepsia têm atividade “anormal” EEG e cerca de 20% das pessoas com epilepsia têm atividade EEG normal.

Imagiologia cerebral métodos (ressonância magnética [RM], ou tomografia computadorizada [CT] scanning) também pode ser utilizado para encontrar a localização de uma cicatriz ou tecido cerebral danificado. Às vezes, a tomografia por emissão de pósitrons [PET] é usado para examinar o fluxo de sangue no cérebro.

O tratamento para a epilepsia

Drogas

 

Drogas antiepilépticas
Nome Químico Comum Nome Comercial
Carbamazepina Tegretol
Clobazam Frisium
Clonazepam Rivotril
Diazepam Valium
Divalproato de sódio Depakote
Etossuximida Zarontin
A gabapentina Neurontin
Lamotrigina Lamictal
Fenobarbital muitos nomes
Fenitoína Dilantin
O ácido valpróico Depakene

 

Às vezes, convulsões cessam sem tratamento. Muitas pessoas tomam anti-epiléptico (também chamado de “anticonvulsivante”), medicamentos para controlar as crises. Essas drogas, no entanto, não curam a doença. Em vez disso, estas drogas controlar os sintomas, e são eficazes em 60-80% dos casos. Antiepilépticos trabalhar, reduzindo a atividade anormal dos neurônios corticais. Estas drogas podem alterar a atividade dos neurotransmissores responsáveis por convulsões ou alterar o fluxo de íons caminho dentro e fora dos neurônios. Infelizmente, muitos destes fármacos têm efeitos secundários tais como sonolência, tonturas e náuseas, os médicos devem equilibrar estes efeitos indesejáveis com o controlo das convulsões. É também importante recordar que as diferentes drogas são utilizadas para tratar diferentes tipos de convulsões.

Cirurgia

Quando a medicação falha e a área do cérebro onde ocorre a convulsão é conhecido, a cirurgia pode ser executada para o tratamento da epilepsia.

Existem vários tipos de cirurgia que tenham sido usadas:

Cirurgia do Lobo Temporal – Este é realizada para remover o tecido cerebral onde o ataque epiléptico começa. Este tipo de cirurgia geralmente remove parte do córtex do lobo temporal, o hipocampo ea amígdala. [mapeamento cerebral durante cirurgia]

Calosotomia ( “Separação cerebral” de operação) – O corpo caloso é cortado para separar os hemisférios cerebrais direito e esquerdo. Este procedimento é feito para prevenir a propagação do ataque de um dos lados do cérebro para o outro.

Hemisferectomia – Um hemisfério cerebral é removido. O procedimento não é realizado com muita freqüência. As crianças que têm esta cirurgia pode funcionar muito bem, embora eles muitas vezes têm dificuldade para usar seu braço para o lado do corpo oposto ao da cirurgia. Em alguns procedimentos cirúrgicos, apenas lóbulos específicas do cérebro são removidos.

Tratamentos experimentais

Vários tratamentos para a epilepsia ainda estão sob investigação. Como e se eles funcionam ainda é controversa.

Dieta cetogênica – um, dieta baixa em gordura alta proteína / carboidrato
Biofeedback – pessoas treinadas para controlar os padrões de EEG para encurtar convulsões
Counterstimulation
Exercer
Técnicas de Relaxamento
Estimulação do nervo vago – um estimulador elétrico é implantado para estimular o nervo vago ( nervo craniano X)
Suplementos vitamínicos e minerais

A epilepsia é uma desordem neurológica bastante comum. Ocorre em cerca de 1 em cada 100-200 pessoas.

Ao longo da história tem havido muitas pessoas famosas que tiveram epilepsia:

Júlio César – estadista romano (100-44 aC)

George Frederick Handel – Compositor (1685-1759)

Fyodor Dostoievski – Escritor (1821-1881)

Pedro, o Grande – Czar da Rússia (1682-1725)

Napoleão Bonaparte – imperador da França (1769-1821)

Vincent van Gogh – Pintor (1853-1890)

Pio IX – Papa (1792-1878)

Lord Byron – Poeta (1788-1824)

Você sabia?

São Valentim é o padroeiro da epilepsia.

Fonte: faculty.washington.edu

Epilepsia

Se você tem epilepsia, isso significa que você já teve mais de uma crise epiléptica e poderia ter mais no futuro.

Atividade elétrica está acontecendo em nosso cérebro o tempo todo. A apreensão acontece quando há uma súbita explosão de atividade elétrica intensa.

Isto é muitas vezes referido como a atividade epiléptica.

Esta atividade elétrica intensa provoca uma interrupção temporária da forma como o cérebro funciona normalmente, o que significa que as mensagens do cérebro se misturam. O resultado é um ataque epiléptico.

O cérebro é responsável por todas as funções do seu corpo. O que você experimenta durante uma convulsão, vai depender de onde em seu cérebro a atividade epiléptica começa e como amplamente e rapidamente se espalha.

Por esta razão, há muitos tipos diferentes de apreensão e cada pessoa irá experimentar epilepsia de um modo que é único para eles.

As causas de epilepsia

Existem muitos tipos de epilepsia. Alguns tipos de começar quando você é muito jovem, e alguns mais tarde na vida. Alguns tipos duram um curto período de tempo e outros tipos podem durar por toda a sua vida.

Às vezes, a razão desenvolve epilepsia é clara. Poderia ser por causa de uma lesão cerebral causada por um parto difícil, um duro golpe para a cabeça, um acidente vascular cerebral, ou uma infecção do cérebro, tais como a meningite. Muito ocasionalmente, a causa é um tumor cerebral. Em cerca de seis em cada dez pessoas, os médicos não sabem a causa de sua epilepsia. Para muitas dessas pessoas, é apenas parte de como eles são feitos, que os torna mais propensos a ter uma convulsão.

Como epilepsia diagnosticada

Não é um teste que pode provar que você faz ou você não tem epilepsia. Exames como o eletroencefalograma (EEG) – que registra os padrões de ondas cerebrais – pode dar aos médicos informações úteis. Um diagnóstico de epilepsia deve ser feita por um médico com formação especializada em epilepsia.

Para fazer um diagnóstico, um especialista em epilepsia usará seu conhecimento especializado e olhar para as informações de testes diferentes. Eles vão pedir-lhe o que acontece antes, durante e depois de suas crises. Eles também pode querer falar com alguém que tenha visto as suas crises.

A epilepsia é atualmente definida como a tendência a ter convulsões recorrentes. É raro serem diagnosticados com epilepsia depois de apenas uma apreensão.

Cerca de cinco pessoas em cada 100 vai ter um ataque epiléptico, em algum momento de sua vida. Fora destas cinco pessoas, em torno de quatro vai continuar a desenvolver epilepsia.

O tratamento da epilepsia

A epilepsia é geralmente tratada com medicamentos epilepsia. Você também pode ouvir estes referidos como drogas anti-epilépticas (DAE). Epilepsia medicamentos agem no cérebro, tentando reduzir convulsões ou parar as apreensões de acontecer. Muitas pessoas com epilepsia acham que quando eles têm o remédio certo, eles têm menos ou nenhum convulsões. No Reino Unido, 70 por cento (sete em cada dez) das pessoas com epilepsia podem ser livres de crises com o tratamento correto.

Fonte: www.epilepsy.org.uk