html image example
'SEMPRE FOI UM CARA MUITO DO BEM', DIZ AMIGA DE PM MORTO APÓS ATIRAR CONTRA POLICIAIS EM SALVADOR ~ Blog Barreiras Noticias | Oeste Baiano no Geral

 Wesley sempre foi um cara muito do bem, muito família, muito alegre, adorava as crianças e desde sempre foi essa pessoa. Amável, amigável, dócil. E a dor é grande demais, sentimento de perda". É assim que a amiga e vizinha de Wesley Soares Góes, de 38 anos, Daniela Pereira, se recorda do PM que foi morto após atirar para cima e contra policiais, após um possível surto, na região do Farol da Barra, em Salvador. 

Amiga de Wesley Góes falou que ele 'sempre foi um cara muito do bem' — Foto: Reprodução / TV Bahia

O policial estava noivo e morava na cidade de Itacaré, no sul da Bahia, onde era lotado. Ele era conhecido por ser uma pessoa alegre. Segundo a Polícia Militar, em 13 anos de serviço, ele nunca apresentou comportamentos que sugerissem problemas psicológicos. 

Outro amigo de Wesley Góes, Bruno Araújo, também lembrou da personalidade alegre do policial e se recordou que ele ficou muito feliz em ter passado no concurso da Polícia Militar, em 2008. Segundo ele, a maior alegria dele foi ter passado no concurso da PM em 2008.

Em entrevista à TV Bahia, o comandante-geral da PM, Paulo Coutinho, lamentou a morte do policial, mas disse que a situação teve variáveis que não estavam na mão dos policiais.

“Eu gostaria de deixar bem claro que a gente lamenta profundamente esse episódio e nos solidarizamos mais uma vez com a família do policial militar e com a nossa tropa. O objetivo da ocorrência não era esse, nós tínhamos um prognóstico melhor, infelizmente tem variáveis que não ficam na mão da polícia quando ela intervém e sim do provocador, quando ele faz o disparo tentando atingir policiais militares e qualquer dispersante”, contou. 

Entenda o caso

Tiros contra policiais e objetos arremessados: o que levou a PM a atirar contra soldado

Tiros contra policiais e objetos arremessados: o que levou a PM a atirar contra soldado

O soldado Wesley Góes trabalhava na 72ª CIPM, em Itacaré. Na tarde de domingo, ele foi até a companhia, buscou um fuzil e partiu para o Farol da Barra. Policiais já tinham percebido que ele estava descontrolado e o seguiram.

Góes parou no Farol da Barra, em Salvador. Assim que saiu do carro, fez disparos para o alto e gritou palavras de ordem. Ele estava com o rosto pintado de verde e amarelo. A polícia isolou o local e iniciou uma negociação que durou mais de três horas. Familiares do soldado foram chamados para ajudar.

Durante as tratativas, Góes arremessou bicicletas de banhistas e atirou isopores de ambulantes no mar. Ele chegou a empurrar motos de PMs e uma viatura. Por volta das 18h30, o soldado fez uma contagem regressiva e atirou ao menos dez vezes contra o Bope, que atirou de volta e baleou o soldado (veja vídeo com o momento do disparo abaixo). Ele chegou a ser socorrido, mas morreu às 23h.

Confira a ordem cronológica dos fatos:

  • 14h: A ocorrência iniciou quando o militar chegou armado com fuzil e pistola, na Barra. Imediatamente ele iniciou disparos de fuzil para o alto. Ele foi cercado por unidades policiais do CPR Atlântico e especializadas, que isolaram o local;
  • 15h: de acordo com a SSP, uma equipe do Bope iniciou a negociação. O soldado alternava momentos de lucidez com acessos de raiva, acompanhados de disparos. De acordo com o órgão de segurança pública, além dos tiros de fuzil, o soldado arremessou grades, isopores e bicicletas, no mar;
  • 18h35: O soldado teria falado que havia chegado o momento, fez uma contagem regressiva e iniciou os disparos contra as equipes do Bope. Após pelo menos 10 tiros, o soldado foi neutralizado e socorrido para o Hospital Geral do Estado (HGE);
  • Depois das 18h40: Jornalistas tentaram se aproximar do policial e foram afastados com balas de borracha;
  • 23h: A Secretaria de Segurança Pública da Bahia confirma a morte de Welsey Góes no hospital.


G1 Bahia