• Girl in a jacket
  • Em 11 meses, mais de 300 celulares são retirados de presídios ~ Blog Barreiras Noticias | Oeste Baiano no Geral

    Equipamentos lideram os materiais ilícitos encontrados pelo Batalhão de Guardas da PM e pela Secretaria de Administração Penitenciária, com detentos de unidades prisionais.

    Mais de trezentos aparelhos celulares foram retirados dos presídios de Salvador e Região Metropolitana, entre o período de janeiro e novembro de 2021, durante ações preventivas e repressivas realizadas pelo Batalhão de Guardas (BG) da Polícia Militar e pela Secretaria de Administração Penitenciária (Seap).


    Os aparelhos encontrados em celas durante revistas realizadas de forma conjunta entre a Polícia Militar, por meio da Companhia de Intervenção Prisional (Cirp) – responsável por atuar em ações que envolvam contato direto com os internos - e os policiais penais lideram a lista de itens ilícitos localizados nos presídios.

    O retorno das revistas – suspensas desde o início da pandemia - foi fruto de decisão adotada após análise da SSP sobre os impactos da iniciativa para o setor e tomada em conjunto com a Seap.

    O Complexo Penitenciário Lemos Brito, no bairro de Mata Escura, em Salvador, é a unidade que mais computa apreensões. Em seguida, vem o presídio de Lauro de Freitas.

    Objetos cortantes como facas são o segundo tipo de materiais ilegais mais encontrados. Neste mesmo período, as equipes retiraram das celas 225 itens dessa categoria.

    Ações criminosas frustradas

    O esquema de policiamento realizado pelo efetivo do BG em guaritas e arredores do Complexo Lemos Brito impediu, também entre janeiro e novembro, as tentativas de 42 arremessos de materiais ilícitos feitos por comparsas de detentos. Nessas ocorrências, 100 kg de maconha foram apreendidas.

    A unidade da PM mantém estratégias preventivas com a finalidade de impedir que esses materiais cheguem até os internos. Dentre as principais iniciativas está o reforço do policiamento em toda área de responsabilidade da unidade especializada.

    “É durante as rondas no entorno dos presídio – incluindo áreas de matas - que a Cirp e as 1ª e 2ª Companhias de Guarda flagram e evitam a concretização dessas ações criminosas. Então, por sabermos dessas práticas utilizamos nossas equipes em pontos internos e externos, que normalmente são utilizados para realizar esses delitos ”, pontuou o comandante do BG, tenente-coronel Flávio Farias.

    Fotos: Rafael Rodrigues

    Assessoria de Comunicação
    Secretaria da Segurança Pública da Bahia

     

    Publicação em destaque

    TELECOM PROVIDER - INTERNET CAMPEÃ