• Girl in a jacket
  • Presidente do Peru é detido após tentar dissolver Congresso ~ Blog Barreiras Noticias | Juninho Sem Maquiagem

    O presidente do Peru, Pedro Castillo, foi detido e destituído pelo Congresso nesta quarta-feira (07/12) após anunciar a dissolução da Casa e o estabelecimento de um "governo de exceção".

    Tudo aconteceu depois que Castillo fez o anúncio inesperado — que foi descrito como um "golpe de estado" por representantes de todo o espectro político — poucas horas antes de uma sessão do Congresso em que seria votada uma moção de vacância, algo similar a um impeachment, contra ele.

    Após o anúncio, o Congresso acabou aprovando com 101 votos a vacância da Presidência, ou seja, a destituição de Castillo. O argumento do Parlamento, que é unicameral, foi a "permanente incapacidade moral" dele para exercer a Presidência.

    Até então vice-presidente, Dina Boluarte assumiu a presidência perante os parlamentares.

    Foi a terceira vez que o Congresso votou a destituição de Castillo, mas desta vez a votação superou os 87 votos necessários, que não tinham sido alcançados nas sessões anteriores.

    Segundo a mídia local, após a sua destituição, Castillo compareceu à delegacia de polícia de Lima, onde foi preso.

    A Polícia Nacional do Peru anunciou em um tuíte, excluído posteriormente, que "em cumprimento de nossas faculdades e atribuições descritas no artigo 5 do DL nº 1267 da Lei de Polícia Nacional do Peru, as tropas do PNP intervêm junto ao ex-presidente Pedro Castillo".

    O analista Alfredo Torres, do instituto Ipsos Peru, afirmou que "fracassou a tentativa de golpe de Estado por parte de Castillo e ganhou a democracia. Todas as instituições rejeitaram o golpe, incluindo a Justiça, o Ministério Público e o Tribunal Constitucional e as Forças Armadas e a Polícia Nacional".

    "O golpe de Castillo foi uma manobra desesperada para tentar conservar o poder porque existem várias denúncias, com depoimentos, de corrupção contra ele", disse Alfredo Torres, da Ipsos, de Lima.

    Pronunciamento à nação

    Algumas horas antes, de terno e gravata, com a faixa presidencial e sem o chapéu que o caracterizou durante sua campanha presidencial, Castillo assegurou, em mensagem à nação, que sua decisão de dissolver o Congresso foi uma resposta ao "obstáculo" imposto pelo Poder Legislativo ao seu governo.

    "Em resposta à reivindicação cidadã em todo o país, tomamos a decisão de estabelecer um governo de emergência visando a instauração do Estado de direito e da democracia", afirmou, antes de anunciar as medidas que a sua decisão implicava.

    Eram elas:

    • Dissolução temporária do Congresso;
    • Convocação para eleições de um Congresso Constituinte;
    • Governo baseado em decretos-lei até que haja uma nova Constituição;
    • Toque de recolher em todo o país das 22h às 04h a partir de 7 de dezembro;
    • Reorganização do Judiciário e demais órgãos judiciais;
    • Confisco de armas em posse ilegal de civis.

    "O modelo econômico baseado em uma economia social de mercado será escrupulosamente respeitado", afirmou o presidente. "A propriedade privada será respeitada e garantida."

    Os portais peruanos de notícias também qualificaram o gesto de Castillo como um golpe de Estado. "Golpe de Estado: Pedro Castillo anuncia fechamento do Congresso", publicou o El Comercio, de Lima, crítico da gestão presidencial. Na mesma linha, o La República publicou: "Pedro Castillo dá golpe de Estado".

    Castillo assumiu a Presidência em julho de 2021. Desde então, enfrentou diversas acusações de corrupção e foi obrigado a substituir seus ministros em diversas ocasiões.

    Após o anúncio do presidente, anunciaram renúncia os ministros da Economia, Justiça, Trabalho e Relações Exteriores, bem como o embaixador do Peru nas Nações Unidas. O advogado de Castillo também anunciou que estava renunciando ao cargo de representante de seu cliente.

    Pouco depois, as Forças Armadas e a Polícia Nacional emitiram um comunicado conjunto no qual anunciaram: "Qualquer ato contrário à ordem constitucional estabelecida constitui uma violação da Constituição e gera descumprimento por parte das Forças Armadas e da Polícia Nacional do Peru".

    A Corte Constitucional, entre outras instituições, qualificou o governo Castillo como "usurpador". (BBC Brasil).

    Publicação em destaque

    TELECOM PROVIDER - INTERNET CAMPEÃ